Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Caso Lázaro

DNA de Lázaro Barbosa é coletado para ajudar em investigações de outros crimes

Segundo a SSP, diversos crimes que têm o homem como suspeito ainda estão em aberto. Lázaro, de 32 anos, morreu em confronto com a polícia após 20 dias de fuga.

Lázaro Barbosa é suspeito de matar família inteira no DF e empreender fuga para Goiás. Buscas ocorrem em Edilândia (Foto: Reprodução)

Por

O DNA de Lázaro Barbosa foi coletado para ajudar em investigação de outros crimes. Ele, que é suspeito de matar uma família em Ceilândia e um caseiro em Cocalzinho de Goiás, morreu na segunda-feira (28) em confronto com a polícia enquanto tentava fugir. As buscas pelo foragido duraram 20 dias.

Mariana Mota, perita criminal e administradora do Banco de Perfil Genético em Goiás, explicou que é possível incluir amostras genéticas de uma pessoa nesse sistema quando há a condenação por crimes graves ou hediondos, como homicídios, latrocínio, sequestro e estupro.

“Nesse banco a gente insere perfis de vestígios de locais de crime e também vestígios coletados de corpos de vítimas, como, por exemplo, vítimas de estupro. E também colocamos perfis genéticos de condenados por crimes previstos na legislação”, explicou.

Ela explicou ainda que, em casos de cadáveres, é possível fazer a coleta casa haja a suspeita de que eles tenham cometido crimes violentos.

“Aí é possível associar o crime, o vestígio biológico que foi deixado em um local de crime ou no corpo de uma vítima com o perfil de um condenado, de um suspeito ou de um cadáver que cometeu algum tipo de crime”, explicou.

Após a perícia, o corpo foi liberado, mas nenhum familiar procurou o Instituto Médico Legal até as 7h desta terça-feira (29) para fazer a retirada e sepultamento.

O secretário de Segurança Pública informou que além das condenações que Lázaro já tinha, ainda existem casos sem soluções e que ele é suspeito de ser o autor.

“Contando Goiás, DF e Bahia são mais de 30. Temos esses crimes que já são conhecidos: o quádruplo homicídio no DF, a tripla tentativa aqui, o sequestro da família em Goiás e temos outros sete, entre latrocínios, assassinatos, em aberto”, disse.

Confronto

A Secretaria de Saúde de Águas Lindas de Goiás informou que Lázaro foi atingido com pelo menos 38 tiros, mas só a perícia vai poder confirmar.

De acordo com o relato da Polícia Militar, os tiros foram efetuados pelas pistolas Sig Sauer calibre 9mm, Taurus calibre 9 mm e um fuzil calibre .556.

O secretário de Segurança Pública Rodney Miranda afirmou, na manhã desta segunda-feira (28), que Lázaro Barbosa descarregou uma pistola contra os policiais ao ser encontrado em Águas Lindas de Goiás, no entorno do DF.

"Ele descarregou a pistola contra os policiais e não tivemos outra alternativa se não revidar", afirmou Rodney.

Após ser baleado, Lázaro foi levado por uma viatura do Corpo de Bombeiros para o Hospital Municipal Bom Jesus, mas morreu.

Longa fuga

Enquanto fugiu por 20 dias, Lázaro invadiu ao menos 11 fazendas, trocou tiros com moradores e policiais, ferindo um militar.

Além disso, Lázaro fez uma família refém - o casal e uma adolescente de 16 anos. Durante o sequestro, as vítimas contaram que o criminoso exigiu que eles andassem em córrego para não deixar rastros.

Drones, helicópteros, rádios comunicadores e até um caminhão que tem plataforma de observação elevada de vídeo monitoramento ajudavam na procura. As autoridades policiais informaram que ele tinha facilidade de se esconder por ser mateiro, caçador e conhecer bem a região.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Idoso aposentado há 45 anos ganha bolo temático no Rio: 'Terror do INSS'

Cármen diz que PGR não está 'fora de supervisão' e cobra detalhes de ações contra Bolsonaro

Oposição decide ser contra PEC dos Precatórios, e governo já não conta mais com votação nesta terça

CPI da Covid pede indiciamento de 81; veja quem é quem e seus possíveis crimes