Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Brasil

Eduardo Bolsonaro elogia Djokovic por não tomar vacina contra Covid

"Optou pela liberdade e hoje torna-se um líder mundial nesta área, enquanto vídeos bizarros da Austrália inundam a internet", afirmou o deputado federal.

Djokovic chegou a treinar na Austrália enquanto impasse durava. (Foto: Kelly Defina / REUTERS)

Por

RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) — O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro (PL), elogiou o tenista sérvio Novak Djokovic, deportado neste domingo (16) da Austrália por tentar entrar no país sem estar vacinado contra a Covid-19.

"Se vencesse o Grand Slam de Melbourne, o sérvio Djokovic bateria Roger Federer e se tornaria o maior campeão de Grand Slam de todos os tempos. Optou pela liberdade e hoje torna-se um líder mundial nesta área, enquanto vídeos bizarros da Austrália inundam a internet", afirmou o deputado federal.

A mensagem foi publicada nas páginas do político em diferentes redes sociais.

Eduardo Bolsonaro já se opôs à vacinação contra a Covid-19 em diversos momentos, numa posição que vai na contramão da recomendação de cientistas de todo o mundo.

Em um encontro virtual com atletas sérvios realizado em abril de 2020, Djokovic foi enfático ao se posicionar contra a exigência da vacina. "Pessoalmente, sou contra a vacinação e não quero que alguém me force a ser vacinado para viajar", afirmou.

Djokovic viu a Justiça australiana rejeitar o recurso de sua defesa e manter a suspensão do visto de entrada no país. Após a audiência, o atual campeão do torneio foi deportado. Ele pegou um voo no aeroporto de Melbourne com destino a Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

O tenista entrou na Austrália no dia 5 de janeiro sem se vacinar, apresentou uma isenção médica e alegou que testou positivo para Covid-19 em 16 de dezembro. Ao desembarcar no aeroporto, ele foi parado pela polícia alfandegária por não apresentar todos os documentos necessários para justificar a entrada no território australiano.

O atleta será substituído no Aberto da Austrália pelo italiano Salvatore Caruso, número 150 do mundo no ranking da ATP.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

STF julga constitucionalidade da Lei Seca e tolerância zero está no centro da discussão

Deolane Bezerra acumula carros de luxo que somam mais de R$ 3 milhões

Em quinta viagem oficial em sete dias, Bolsonaro vai a Sergipe

Ciclone com ventos de 100 km/h deve causar danos no Sul do país