Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Brasil

Governo Bolsonaro vê quebra de contrato e questiona Butantan sobre venda de Coronavac a estados

O governador João Doria (PSDB) anunciou nesta quarta a venda de 2,5 milhões de doses da vacina para cinco estados.

Profissional da saúde manipula vacina da Coronavac. (Foto: Miguel Schincariol - 30.mar.2021/AFP)

Por

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — O Ministério da Saúde questionou o Butantan nesta quarta-feira (22) sobre possível quebra de contrato com o governo federal na venda de Coronavac pelo laboratório paulista a cinco estados.

A Saúde argumenta que tem direito a exclusividade na aquisição da Coronavac enquanto o Butantan não entregar as doses contratadas pelo governo Jair Bolsonaro (sem partido).

Técnicos da pasta avaliam que a quebra de contrato pode levar a multa de cerca de R$ 31 milhões. A cifra é 1% do valor do segundo contrato de compra da Coronavac assinado entre o ministério e o Butantan.

O governador João Doria (PSDB) anunciou nesta quarta a venda de 2,5 milhões de doses da vacina para cinco estados.

O Pará irá receber 1 milhão de doses, Espírito Santo e Mato Grosso contrataram 500 mil doses cada, o Ceará adquiriu 300 mil e o Piauí, 200 mil. As doses serão enviadas a partir do início da próxima semana.

Em nota, o governo paulista disse que já finalzou a entrega das 100 milhões de doses acordadas em dois contratos com o Ministério da Saúde, mas o governo federal discorda.

Isso porque a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) mandou recolher 12 milhões de doses da Coronavac que foram interditadas. Os lotes não poderão ser mais usados no Brasil e a Saúde espera que o laboratório paulista envie novas doses para chegar ao volume do contrato.

"Até que a gente conclua o contrato, o Butantan, sem aval do ministério, não pode comercializar doses com outro país outra unidade da federação. A gente mandou expediente ao Butantan solicitando esclarecimentos", disse o secretário-executivo da Saúde, Rodrigo Cruz, nesta quarta à imprensa.

Em ofício enviado à Fundação Butantan, o diretor de Logística do Ministério da Saúde, general da reserva Ridauto Fernandes, disse que a venda aos estados pode levar a aplicação das "sanções previstas em contrato", "que possuem considerável força".
A Saúde abriu prazo de cinco dias para o laboratório paulista explicar "se está ou não entregando tais vacinas" aos estados.

A reportagem procurou o Butantan na noite desta quarta, mas ainda não recebeu resposta sobre a notificação do Ministério da Saúde.

A cobrança da pasta pode abrir nova disputa entre o governo Bolsonaro e a gestão Doria envolvendo a Coronavac.

Bolsonaro resistiu em negociar a Coronavac e segue desacreditando a eficácia do imunizante.

Em outubro de 2020, ele forçou o então ministro Eduardo Pazuello a recuar de uma promessa de compra da vacina.

"Um manda e outro obedece", justificou o general em vídeo ao lado do mandatário. Bolsonaro chegou a chamar o imunizante de "vacina de João Doria".

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

CPI da Câmara Municipal de São Paulo recebe denúncia de assédio sexual contra médicos da Prevent

Secretários de Guedes pedem demissão após manobra para abrir espaço no teto de gastos

Ao menos 16 tubarões foram vistos em Balneário Camboriú desde agosto

Governo de Rondônia proíbe uso da linguagem neutra em escolas públicas e privadas