Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Defesa

Marcelo Queiroga defende volta às aulas mesmo antes de professores receberem segunda dose

Ainda de acordo com o ministro da Saúde, a educação é um setor estratégico para o governo porque as escolas garantem também segurança alimentar e assistência à saúde para os alunos.

Queiroga disse que o governo ainda estuda a possibilidade da realização de um reforço vacinal contra a Covid-19 em 2022 (Foto: Reprodução)

Por

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta segunda-feira (21) que não é preciso que a totalidade dos professores tenham recebido as duas doses das vacinas contra a Covid-19 para que as aulas presenciais sejam retomadas em todo o país.

“Já distribuímos doses aos professores da atenção básica para imunizar com a primeira dose cerca de 84% dos professores. No meu entendimento, não é fundamental que todos os professores estejam imunizados com as duas doses para o retorno das aulas”, disse o ministro, ao participar de audiência na Comissão Temporária Covid-19 do Senado.

“Com a estratégia adequada de testagem, podemos compatibilizar o retorno das aulas com a identificação dos casos positivos e, a partir daí, ter já no segundo semestre o retorno de aulas”, completou. 

Ainda de acordo com o ministro da Saúde, a educação é um setor estratégico para o governo porque as escolas garantem também segurança alimentar e assistência à saúde para os alunos.

Por esse motivo, o ministro disse ter agendada uma reunião com o ministro da Educação, Milton Ribeiro, com o ministro-chefe da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, e com o advogado-geral da União, André Mendonça, para “buscar uma solução para esse retorno o mais breve possível”.

Reforço da vacina em 2022
Na mesma audiência, Queiroga disse que o governo ainda estuda a possibilidade da realização de um reforço vacinal contra a Covid-19 em 2022 e que negocia com farmacêuticas mais doses de imunizantes para essa possibilidade.

"Já traçamos um panorama para o ano de 2022. Neste sentido, além da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) ter capacidade plena para produção da vacina com ingrediente farmacêutico ativo (IFA) nacional, estamos em negociações com farmacêuticas, como a Pfizer e a Moderna, para usar esses agentes no ano de 2022, se for o caso – e é possível que seja – de fazermos um reforço", afirmou.

"Claro que ainda não temos todas as respostas, todas as evidências científicas a esse respeito, se será necessário fazer uma nova vacinação como hoje, com duas doses, ou se apenas precisaremos do reforço", completou.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Lewandowski autoriza estados a vacinar adolescentes contra covid-19

Ministro chama senadora de 'descontrolada', gera tumulto e se torna investigado pela CPI

Tempo vira no Rio de Janeiro, e ventania suspende a circulação de trens e fecha a Ponte Rio-Niterói

Ministro da CGU afirma que não houve superfaturamento na compra da Covaxin porque não teve pagamento