Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

CPI Covid

Ministro chama senadora de 'descontrolada', gera tumulto e se torna investigado pela CPI

Wagner Rosário, da Controladoria-Geral da União, foi convocado para prestar depoimento à Comissão.

Rosário fez a declaração após Tebet criticar a postura do ministro em relação ao processo de aquisição pelo governo federal da vacina Covaxin. (Foto: Reprodução)

Por

O ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, chamou a senadora Simone Tebet (MDB-MS) de "descontrolada" durante reunião da CPI da Covid nesta terça-feira (21).

A fala de Rosário gerou tumulto entre os senadores e o ministro deixou a sessão. Logo depois, a pedido do presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), o relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), converteu a condição do ministro de testemunha para investigado.

Rosário fez a declaração após Tebet criticar a postura do ministro em relação ao processo de aquisição pelo governo federal da vacina Covaxin.

A senadora afirmou, durante sua fala, que "a CGU não foi criada para ser órgão de defesa de ninguém", sugerindo que Rosário atua para atender a interesses do presidente Jair Bolsonaro.

"Temos um controlador que passa pano, deixa as coisas acontecer", afirmou a ela.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

'Tudo é homofobia, tudo é feminismo', ironiza Bolsonaro sobre punição a Maurício Souza

Polícia Federal faz buscas para apurar fraudes na superintendência do Ministério da Saúde no Rio de Janeiro

Bolsonaro critica TSE e diz que ação sobre cassação de chapa deveria ser arquivada sem julgamento

CPI Covid: PGR pretende fatiar relatório para ações em curso no Ministério Público Federal