Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Investigação

Receita Federal apreende no Porto de Suape, no Grande Recife, carga com lixo hospitalar vindo de Portugal

A carga foi declarada pelo importador como “Mangueirinha de PVC” mas, na verdade, eram mangueiras, bolsas para sangue e outros resíduos sólidos hospitalares.

O material vistoriado pode oferecer riscos à saúde pública. Os nomes das pessoas e empresas envolvidas não foram divulgados devido ao sigilo fiscal. (Foto: reprodução)

Por

Um montante de 20 toneladas de lixo hospitalar, que saiu de Portugal e foi trazido a Pernambuco, foi apreendido pela Receita Federal em um contêiner. O material foi descoberto no Porto de Suape e o caso só foi revelado nesta sexta-feira (9).

A carga foi declarada pelo importador como “Mangueirinha de PVC” mas, na verdade, eram mangueiras, bolsas para sangue e outros resíduos sólidos hospitalares. O importador alegou que a carga era de material hospitalar que nunca havia sido usado. O material iria ser reciclado em sua empresa.

Diante das suspeitas, a Receita Federal enviou Ofício à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) na manhã do dia 5 de julho relatando o fato e solicitando apoio na verificação da carga. Hoje, dia 9 de julho, a Anvisa vistoriou as mercadorias e confirmou as suspeitas. A carga, de fato, era de resíduo sólido hospitalar.

A Coordenadora da ANVISA no Estado de Pernambuco, Thaís Ferreira, afirmou que são resíduos sólidos hospitalares, não importando se foram usados ou não, estão contra as normas de saúde pública por ser declarado como outro produto. O material vistoriado pode oferecer riscos à saúde pública. Os nomes das pessoas e empresas envolvidas não foram divulgados devido ao sigilo fiscal.

O Auditor-fiscal Carlos Eduardo da Costa Oliveira, Delegado da Alfândega do Recife, lembrou que “tivemos um caso semelhante em 2011, quando um importador recebeu alguns contêineres com lençóis hospitalares usados. O caso atual chama a atenção pois estamos no meio de uma pandemia e o material pode ter sido utilizado, inclusive, em pacientes”. A Receita Federal tem papel de impedir a entrada de cargas que coloquem em risco a saúde pública.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Governador afirma que decisão final sobre Ano Novo no Rio é dele e do prefeito

STJ mantém veto a implantação de embriões por viúva de homem morto

Bolsonaro é aplaudido por empresários ao dizer que deve favores a eles e que põe juízes neutros no TST

'Anvisa quer fechar espaço aéreo', diz Bolsonaro ao minimizar ômicron