Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

EXIGÊNCIA

Relator do Conselho de Ética quer ouvir Eduardo Cunha pessoalmente

Marcos Rogério também disse que chamará Alberto Youssef e Julio Camargo. Presidente da Câmara é acusado de ter mentido sobre contas no exterior.

Por

O deputado Marcos Rogério (DEM-RO), relator do processo disciplinar sobre o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no Conselho de Ética da Casa informou nesta quarta-feira (30) que pretende ouvir, pessoalmente, o peemedebista. O processo do qual Cunha é alvo no colegiado poderá resultar até na cassação do seu mandato.

O presidente da Câmara é acusado de manter contas secretas no exterior e de ter mentido, em depoimento à CPI da Petrobras, em março de 2015, sobre a existência das contas na Suíça.
Cunha argumenta que não mentiu à CPI da Petrobras quando disse, em março de 2015, que não possui contas no exterior. Segundo afirmou, as contas não estão em nome dele, mas sim de trustes.

O presidente da Câmara diz que não é dono, mas sim beneficiário dos recursos mantidos na Suíça.
O relator apresentou o seu roteiro de trabalho aos integrantes do conselho e disse que também pretende ouvir como testemunhas os investigados na Operação Lava Jato Alberto Youssef, Julio Camargo, Fernando Baiano, Eduardo Musa e João Henriques, que, em seus depoimentos de delação premiada, fizeram acusações a Eduardo Cunha.
Na sessão desta quarta, destinada à apresentação do plano de trabalho sobre o processo, Marcos Rogério afirmou que a lista de testemunhas no caso pode mudar no curso das investigações em função, por exemplo, das informações que vierem do Banco Central, da Procuradoria-Geral da República e do Supremo Tribunal Federal.
No último dia 22, Cunha apresentou sua defesa, e o processo entrou, oficialmente, na fase de coleta de provas. Desde então, passou a contar os 40 dias úteis que Marcos Rogério terá para analisar documentos e ouvir testemunhas até apresentar o relatório final, que pode recomendar desde a absolvição até a cassação do mandato parlamentar.
O prazo só termina em 18 de maio, mas o relator pode antecipar a apresentação do parecer.

PROCESSO ATRASADO

O processo que investiga Cunha na Câmara se arrasta desde novembro do ano passado, quando a representação contra ele, de autoria da Rede e do PSOL, foi lido no Conselho de Ética.
Aliados do peemedebista se revezaram na apresentação de questões de ordem e recursos, a fim de postergar ao máximo o andamento das investigações.

Por causa das manobras de Cunha e aliados, a fase preliminar do processo durou mais de quatro meses e já é a mais longa que existiu em processos de cassação do Conselho de Ética. O maior golpe para os que queriam acelerar as investigações foi a destituição, em 9 de dezembro do ano passado, do primeiro relator, deputado Fausto Pinato (PRB-SP).

A substituição foi motivada por decisão do vice-presidente da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), que acolheu recurso do deputado Carlos Marun (PMDB-MS), segundo o qual Pinato não poderia ser relator por pertencer a um partido que integrou o bloco de legendas que apoiou a eleição de Cunha.

Com a decisão, a relatoria passou para Marcos Rogério, que elaborou parecer pela continuidade das investigações, aprovado em 15 de dezembro.

No entanto, em 22 de dezembro, o vice-presidente da Câmara deu nova decisão em benefício de Cunha – anulou a aprovação do parecer sob o argumento de que o Conselho de Ética deveria ter concedido prazo extra para que os aliados do peemedebista analisassem o parecer de Marcos Rogério.

A decisão de Waldir Maranhão só chegou ao Conselho de Ética em 3 de fevereiro, após o recesso do Legislativo. Com isso, o processo voltou à estaca zero. O parecer de Marcos Rogério só voltou a ser votado e aprovado quase um mês depois, em 2 de março.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Pazuello diz agora que ministério orienta 'atendimento precoce' e não 'tratamento precoce'

Moradora de abrigo de idosos é a 1ª vacinada contra Covid-19 em Goiás: 'Esperei muito tempo por essa vacina'

Caminhões com oxigênio da Venezuela passam pela fronteira do Brasil com destino ao AM

Secretários de Saúde já esperam nova crise da vacina com falta de doses