Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Brumadinho

Risco de contaminação do Rio São Francisco é pequeno, mas não está descartado

O reservatório de Retiro Baixo é considerado estratégico, pelos técnicos do governo, para impedir que os rejeitos de minério contaminem o Rio São Francisco.

Brumadinho após rompimento da barragem (Foto: Reprodução)

Por

BRASÍLIA – A onda de lama de rejeitos de minério que vazou da barragem da Vale em Brumadinho começou a perder força e, na tarde deste domingo, se movimenta a uma velocidade de menos de um quilômetro por hora, em direção à Hidrelétrica de Retiro Baixo, a cerca de 286 quilômetros do local do desastre. O reservatório de Retiro Baixo é considerado estratégico, pelos técnicos do governo, para impedir que os rejeitos de minério contaminem o Rio São Francisco, provocando um desastre ambiental ainda mais elevado que o registrado na chamada “zona vermelha” de destruição.

A informação foi passada pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, que convocou a diretoria da Agência Nacional de Águas para uma reunião de emergência na manhã deste domingo. Segundo Canuto, a previsão é de que a lama chegue a Bom Retiro entre os dias 2 e 6 de fevereiro. O ministro disse que o governo Federal trabalha com uma probabilidade baixa de que a onda de lama contamine o Rio São Francisco.

— A probabilidade é reduzida, mas tem. Não está descartado.

Canuto se reuniu por três horas com técnicos e especialistas da ANA em Brasília. Ele disse que a agência instalou 47 pontos de coleta no Rio Paraopeba, na região de Brumadinho, para avaliar a qualidade da água. O resultado da análise deve sair na próxima quarta-feira. Caso a contaminação seja constatada nesses pontos, o abastecimento de água pode ficar comprometido para uma população de 3 milhões de pessoas que vivem em municípios mineiros.

Na tarde da última sexta-feira, a barragem da Vale em Brumadinho se rompeu deixando um lastro de destruição pelo caminho, provocando, até o momento, a morte de 37 pessoas e deixando 287 desaparecidas. A exemplo do ocorrido com o Rio Doce, em Mariana, a água do Rio Paraopeba foi contaminada pelos rejeitos de minério, que podem, inclusive, chegar ao Rio São Francisco.

Ameaça de novo rompimento de barragem

O ministro ainda explicou que o motivo do acionamento das sirenes, na madrugada deste domingo, em Brumadinho, aconteceu em função da elevação do nível da água na barragem 6 da Vale. Segundo o ministro, o aparelho de drenagem do reservatório foi prejudicado pelo rompimento da barragem 1. Por isso, com a chuva, o nível subiu rapidamente, e a população teve que evacuar a cidade. Como medida emergencial, uma segunda bomba foi instalada para ajudar na drenagem da água.

— Houve um comprometimento do dreno da barragem. Mas a barragem não corre risco de rompimento, sai da situação 2 de risco para a situação 1. Também não houve um princípio de rompimento. Houve um aumento do nível. Colocaram uma segunda bomba para a drenagem.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Defesa volta a pedir acesso à investigação sobre sargento da FAB

Homem usa drone para disparar fogos de artifício em festa barulhenta

"Brasil precisa de quimioterapia para que não pereça", diz Bolsonaro

Reforma da Previdência já tem 42 dos 49 votos para aprovação no Senado