Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Festa

São João de Caruaru diz em edital que vai censurar manifestações políticas

O edital, que teve início em 31 de março e se encerrou nesta quarta-feira (18), data a partir da qual as atrações começaram a ser divulgadas, foi publicado no site da prefeitura.

A festa de São João de Caruaru, uma das maiores e mais tradicionais celebrações de São João do país, não quer ser palco de manifestações políticas (Foto: Reprodução)

Por

RIBEIRÃO PRETO, SP (FOLHAPRESS) - A festa de São João de Caruaru, uma das maiores e mais tradicionais celebrações de São João do país, não quer ser palco de manifestações políticas como o Lollapalooza.

A Prefeitura de Caruaru, cidade a 136 quilômetros de Recife onde ocorre a festa, afirmou no edital de contratação de seus artistas que qualquer atração "que expresse conteúdo político de qualquer natureza" não seria contratada.

O edital, que teve início em 31 de março e se encerrou nesta quarta-feira (18), data a partir da qual as atrações começaram a ser divulgadas, foi publicado no site da prefeitura.

O presidente da Fundação de Cultura de Caruaru, Rubens Júnior, disse ao Marco Zero, um coletivo de jornalismo independente de Recife, que não enxerga a medida como censura. Afirmou ainda que a cláusula do edital se trata de uma "recomendação" aos artistas.

O edital, no entanto, afirma que o descumprimento da cláusula pode levar à rejeição da prestação de contas e, por consequência, à suspensão do cachê da apresentação.

"O que que a gente está contratando não é a posição política do artista. Se ele faz isso num teatro, as pessoas pagam para assistir ao show dele. Eu mesmo vou e bato palma quando é a meu favor e vaio quando é contra a minha posição política. Mas é um show privado. Um show com recursos públicos. A gente tem que ter essas precauções."

"Eu tenho copatrocínio do governo federal, do governo estadual e a prefeitura banca a maior parte da festa. São três posições políticas diferentes. Como é que eu resolvo isso? Resolvo dizendo assim: 'Olha, não se fala em política, porque o show não é para manifestação individual. O show é para manifestação individual artística'."

Além dos artistas locais, boa parte deles inscritos por meio do edital, devem se apresentar na festa Luan Santana, Mari Fernandez, Felipe Amorim, Dorgival Dantas e Bell Marques.

O evento começa em 4 de junho e vai até 2 de julho. As apresentações principais serão divididas em matinês nos dias 11, 23, 24, 25 e 26.

A proibição surge cerca de um mês e meio após Pabllo Vittar ter mostrado uma toalha com o rosto do ex-presidente Lula e feito um sinal de "L" com a mão no palco do Lollapalooza, festival de música que ocorreu no último fim de semana de março em São Paulo.

A equipe do presidente Jair Bolsonaro questionou a organização do festival. Seu partido, o PL, acionou o TSE por suposta propaganda eleitoral irregular no evento, alegando que a legislação só permite campanha política a partir de 16 de agosto.

O tribunal acatou parcialmente o pedido e determinou multa de R$ 50 mil para o festival se houvesse outras manifestações a favor ou contra qualquer candidato ou partido no Lollapalooza. A produtora do evento, T4F, entrou com recurso e manteve a liberdade de expressão dos artistas.


Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Funcionárias denunciam presidente da Caixa por assédio sexual

CPI do MEC: Líder do governo no Senado diz que vai ao STF caso comissão seja instalada

Brasil tem menor taxa de homicídios em dez anos, diz anuário

Para Queiroga, crianças estupradas devem ter direito de manter gravidez