Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Demissão

Sergio Moro reclama de interferência política e anuncia que está fora do governo Bolsonaro

A informação foi dada durante uma coletiva de imprensa, convocada pelo próprio ministro.

Sérgio Moro anuncia demissão (Foto: Walla Santos)

Por

O ministro Sérgio Moro anunciou sua demissão, na manhã desta sexta-feira (24), do Ministério da Justiça. A informação foi dada durante uma coletiva de imprensa, convocada pelo próprio ministro.

Moro chegou a dizer que o presidente Jair Bolsonaro não o quer mais no cargo. ''Acho que foi uma sinalização de que o presidente não me quer mais no cargo'', comentou sobre a exoneração do diretor da Polícia Federal, Maurício Valeixo, que havia sido indicado pelo ministro para o cargo.

Ele contou que ficou sabendo da exoneração ao olhar o Diário Oficial da União e que, ao contrário do que foi publicado, não houve pedido de exoneração por parte de Valeixo. ''Ele me contou que recebeu uma ligação avisando que seria publicada a exoneração a pedido'', disse.

Durante a entrevista coletiva, Moro repetiu diversas vezes que o problema não estava em trocar a direção da PF, mas na razão para fazer isso. Ele ressaltou que o ex-diretor da PF estava realizando um ''trabalho bem feito'', e que não é aceitável indicação política para o cargo.

Segundo Moro, o presidente queria uma pessoa próxima a ele no cargo, alguém que ele pudesse ligar para pedir informações, mas ''isso não existe na PF". Por mais de uma vez, o ex-juiz lembrou que nem na época do governo Dilma e do escândalo da Lava Jato, houve interferência no trabalho da PF. ''Os governos anteriores, mesmo com todos os problemas, respeitaram a autonomia da PF'', destacou.

Para Moro, a interferência de Bolsonaro põe em risco à credibilidade da instituição, assim como a credibilidade do próprio governo e ele afirma que expôs essa preocupação ao presidente.

O ex-juiz disse ainda, que procurou alternativas para não criar uma crise em meio à pandemia de covid19, que deveria ser a prioridade do governo no momento. Ele chegou a sugerir o nome do superintendente executivo da Polícia Federal para o lugar de Maurício Valeixo, mas a ideia não foi aceita pelo presidente, que insistiu em fazer uma indicação política e não baseada em critérios técnicos, contrariando o ministro. 

Moro também lembrou que, quando foi convidado por Bolsonaro para o cargo de ministro, a promessa era de que ele teria carta branca para decisões como essa, o que não ocorreu.


Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o Portal ClickPB não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2020 se encerrarem.

Destaque

ir para editoria →

Governo de Jair Bolsonaro divulga informação falsa de que queimada no Brasil é a menor em 18 anos

Pesquisa Datafolha revela que 75% dos eleitores na cidade de São Paulo são contra volta das aulas pesenciais

Polícia Federal apreende 254 quilos de cocaína no Porto de Paranaguá

Em 12 meses, Câmara dos Deputados pagou R$ 690 mil a filhos de Flordelis