Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Brasil

STF rejeita queixa-crime de ex-mulher contra Arthur Lira

Em julgamento no plenário virtual, ministros se posicionaram contra acusação da ex-mulher do presidente da Câmara por difamação e injúria.

Presidente da Câmara, Arthur Lira. (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

Por

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal votou pela rejeição de uma queixa-crime contra o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), em que era acusado de difamação e injúria por sua ex-mulher.

No plenário virtual, os ministros discutem se a ação deveria seguir no Supremo ou ser enviada para julgamento na primeira instância, uma vez que não tinha relação com o atual mandato.

A maioria dos ministros entendeu que o caso deveria ser analisado no STF e que as declarações ofensivas estão cobertas pela chamada imunidade parlamentar, já que a agressão ocorreu em uma entrevista jornalística que teve o objetivo de responder acusações feitas por ela de supostas práticas criminosas que teriam relação direta com o mandato.

Esse entendimento foi apresentado pelo voto do ministro Alexandre de Moraes, que foi seguido pelos colegas Gilmar Mendes, Nunes Marques, Edson Fachin e Dias Toffoli.

“Ora, as palavras ofensivas em relação à querelante [ex-mulher] foram realizadas em um contexto de sucinto rebate às acusações por ela feitas e consideradas pelo querelado [Lira] como totalmente infundadas, não ultrapassando, dessa forma, os limites da liberdade de expressão negativa do parlamentar, acobertadas pela inviolabilidade constitucional; em que pese a grosseria das mesmas”, escreveu Moraes.

Relator do caso, o ministro Luís Roberto Barroso votou para enviar o caso para a primeira instância, sendo acompanhado pela ministra Cármen Lúcia. O ministro Ricardo Lewandowski votou para que o caso foi analisado pela Justiça de Maceió (AL).

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

CPI da Câmara Municipal de São Paulo recebe denúncia de assédio sexual contra médicos da Prevent

Secretários de Guedes pedem demissão após manobra para abrir espaço no teto de gastos

Ao menos 16 tubarões foram vistos em Balneário Camboriú desde agosto

Governo de Rondônia proíbe uso da linguagem neutra em escolas públicas e privadas