Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Brasil

STJ mantém condenação de André do Rap por tráfico internacional de drogas

Sexta Turma rejeitou recurso que pedia rediscussão de decisão do TRF-3 na operação Overseas. André do Rap foi condenado a mais de 15 anos de prisão, mas ainda recorre.

Ao STJ, os advogados argumentaram que não era necessário o reexame de provas para apreciar o mérito, ou seja, a punição contra André do Rap. (Foto: Reprodução)

Por

Por unanimidade, a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça manteve nesta terça-feira (13) a condenação de alvos da operação Oversea – entre eles, André Oliveira Macedo, conhecido como André do Rap.

Os ministros rejeitaram um recurso que, na prática, poderia fazer com que o STJ analisasse questionamentos sobre uma decisão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3). Ao julgar o caso, o TRF-3 manteve a condenação de primeira instância, mas alterou a pena de André do Rap.

O TRF-3 condenou André do Rap à pena de 15 anos, seis meses e 20 dias pelo crime de tráfico internacional de drogas. Em conjunto com outros réus, o traficante foi investigado e denunciado no âmbito da Operação Oversea, deflagrada pela Polícia Federal em 2014.

A Sexta Turma do STJ não chegou a discutir o caso. O projeto foi rejeitado em julgamento da chamada lista – ações que são analisadas em bloco, e nas quais não há divergência significativa entre os ministros.

O recurso

Ao STJ, os advogados argumentaram que não era necessário o reexame de provas para apreciar o mérito, ou seja, a punição contra André do Rap.

Os ministros consideraram que a defesa não questionou o total de argumentos do TRF-3 para rejeitar seguimento ao recurso, o que contraria entendimento da Corte. Segundo a Turma, a defesa deixou de mostrara presença de elementos suficientes para permitir que o recurso fosse analisado.

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), a organização criminosa se especializou no envio de drogas para o exterior – principalmente para a Europa – a partir do Porto de Santos (SP), com a utilização de contêineres.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

'É frustrante ver que não estão se cuidando', diz médica cujo desabafo sobre trabalho na pandemia viralizou nas redes

Para Ciro, aliança entre centro-esquerda e centro-direita é necessária para derrotar Bolsonaro em 2022

Óleo combustível fica mais caro que diesel e afeta cabotagem

Sem citar laboratórios, Ministério da Saúde indica que vacina da Pfizer está fora do perfil desejado para o Brasil