Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Brasil

Um ano depois, família de vítimas de Lázaro Barbosa é ameaçada no Distrito Federal

Por WhastApp, pessoa que se identificou como "novo Lázaro" fez ameaças de morte. Caso está em sigilo e parentes não recebem proteção policial.

Por mensagem, pessoa que se identifica como "novo Lázaro" faz ameaças de morte a parentes de vítimas. (Foto: reprodução)

Por

Um ano depois do assassinato de quatro pessoas da família Vidal por Lázaro Barbosa de Sousa, em Ceilândia, no entorno do Distrito Federal, parentes voltaram a ser ameaçados. A intimidação foi feita em abril, por WhatsApp: "Cuidado o novo Lázaro Barbosa pode volta (sic)". "Vc vai morrer também. Como a família Vidal foi. Se prepara. Estou indo aí".

Apontado como serial killer, Lázaro Barbosa de Sousa foi morto por policiais depois de ter sido perseguido por 20 dias, numa fuga que repercutiu em todo o país pelo crime bárbaro e pelo aparato montado na perseguição. Policiais comemoraram o desfecho do caso com uma carreata.

A nova ameaça aterrorizou a família. Até a morte a facadas do empresário Cláudio Vidal, de 48 anos, dos filhos dele, Gustavo Vidal, de 21 anos, e Carlos Eduardo Vidal, de 15, e da mulher dele, Cleonice Marques de Andrade, de 43 anos, cujo corpo foi encontrado dias depois, pelo menos 20 pessoas da família viviam na área onde ocorreu o crime.

Trata-se de uma fazenda de 350 mil metros quadrados, adquirida pelos avós de Claudio Vidal há cerca de 70 anos, avaliada em cerca de R$ 150 milhões. O crime fez com que praticamente todos deixassem o local e fossem morar de aluguel.

Embora a fazenda tenha se formado numa área rural, ela foi alcançada pela parte urbana da cidade. Parte da família segue tirando seu sustento da venda de plantas e mudas de árvores frutíferas e não quer se desfazer da propriedade. Alguns aceitam vendê-la. Antes da morte de Cláudio Vidal, quatro das 13 cotas familiares haviam sido negociadas, mas o negócio emperrou depois do crime bárbaro.

— Não sabemos o que motivou a morte de Cláudio e toda a sua família. O Lázaro foi morto e também o homem que deu guarida a ele, ajudando a escondê-lo durante a fuga, que acabou morrendo de infarto. A polícia diz que tem uma linha de investigação, mas não sabemos qual é -- afirma Alexandre Vidal, um dos sobrinhos de Cláudio Vidal.

O boletim de ocorrência sobre as novas ameaças, que começaram em 12 de abril passado, foi registrado no dia seguinte. Segundo a Polícia Civil do Distrito Federal e o Ministério Público de Ceilândia, também neste caso as investigações estão sob sigilo.

— A gente entende o sigilo. Esperamos que uma hora a investigação termine — diz Alexandre.

Na última terça-feira, o advogado da família Vidal, Fábio Alves, acompanhou parentes de Cláudio Vidal numa reunião no Ministério Público e com o delegado responsável pela investigação.

Segundo Alexandre, não foi disponibilizado qualquer esquema de proteção, nem mesmo ao integrante do núcleo que foi diretamente ameaçado.

— Eles deram o telefone do plantão, para que a gente procure caso precise de alguma coisa — disse.

Alexandre afirma que todos da família seguem abalados psicologicamente, o que piorou com a nova ameaça.

Depois do assassinato da família Vidal, em junho de 2021, ele passou 20 dias foragido em matas da região e foi perseguido por uma força-tarefa de cerca de 200 policiais. Além de assassino, Lázaro era também estuprador. Na fuga, teria sido ajudado por um fazendeiro e invadiu várias propriedades, fazendo reféns. A investigação não foi encerrada.

Ele era foragido do sistema penitenciário. Em 2007 havia sido preso na Bahia, onde nasceu, por duplo homicídio, mas fugiu da cadeia. Acabou preso novamente e, em 2014, passou a cumprir a pena em regime semiaberto. Mesmo assim, fugiu e foi preso duas vezes. A última fuga ocorreu em 2018, quando cumpria pena num presídio em Águas Lindas de Goiás.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

'Misto de indignação, tristeza e decepção', diz filha demitida pelo pai após criticar Bolsonaro, no Amapá

Filha é presa por golpe de R$ 725 milhões contra a mãe em esquema de roubo de obras de arte e joias

Ciclone com fortes e ventos e chuvas causa deslizamentos e prejuízos em Santa Catarina

Ciclone causa deslizamentos e queda de estruturas em Santa Catarina; moradores precisaram deixar residências