Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Brasil

Editoria sobre Brasil ir para editoria →

Brasil

Vacinação em massa contra Covid-19 deve custar R$ 20 bilhões, diz Guedes

"Se formos partir agora para uma campanha de vacinação em massa, devem ser mais ou menos R$ 20 bilhões", afirmou o ministro.

Os países mais ricos, que já fizeram acordos para compra de doses da Pfizer/BioNTech e Moderna, garantiram também vacinas de pelo menos outras quatro fabricantes. (Foto: Reprodução)

Por

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — O ministro Paulo Guedes (Economia) afirmou nesta sexta-feira (11) que uma campanha de vacinação em massa contra a Covid-19 deve custar R$ 20 bilhões ao governo federal. O governo ainda estuda estratégias de imunização para o país, enquanto outros países já aprovaram vacinas e compraram doses de diferentes fabricantes.

Membros do Ministério da Economia têm conversado com o Ministério da Saúde sobre possíveis planos para a compra dos imunizantes. O custo da operação varia de acordo com o tipo da vacina escolhida.

"Se formos partir agora para uma campanha de vacinação em massa, devem ser mais ou menos R$ 20 bilhões", afirmou o ministro em audiência na comissão do Congresso que acompanha as ações do governo no enfrentamento à pandemia.

Nesta sexta, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), disse que o governo federal pretende requisitar vacinas contra a Covid-19 produzidas no país ou importadas para o Brasil.

O ministério da Saúde ainda não se pronunciou de maneira oficial. Uma assessora do ministro Eduardo Pazuello negou informalmente que o governo esteja planejando qualquer tipo de confisco.

Em discurso na inauguração de um hospital nesta sexta, Pazuello disse que o plano de vacinação nacional é de responsabilidade do governo federal e que nenhum brasileiro terá vantagem, por morar em determinado estado.

A grande favorita do governo federal é a produzida pela Universidade de Oxford (Reino Unido) em parceria com a AstraZeneca. Embora o imunizante tenha saído na frente na corrida, uma vez que já vinha sendo testado para outros coronavírus, sua média de eficácia foi de 70%, tirada a partir de dois valores –62%, que seria o oficial, e 90%, relativo ao grupo que recebeu apenas metade da dose planejada na primeira das duas injeções.

Os países mais ricos, que já fizeram acordos para compra de doses da Pfizer/BioNTech e Moderna, garantiram também vacinas de pelo menos outras quatro fabricantes.

Enquanto os EUA firmaram acordo com a Pfizer, Moderna, AstraZeneca, Janssen, Novavax e Sanofi, o Canadá lidera em doses per capita, com a compra de pelo menos nove doses por habitante. A Europa encomendou cerca de metade das vacinas prometidas por três farmacêuticas(Pfizer, Moderna e AstraZeneca) e possui ainda diversas produções locais, como das farmacêuticas Janssen, na Bélgica, da Sanofi/Pasteur, na França e Curevac, na Alemanha.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Secretários de Guedes pedem demissão após manobra para abrir espaço no teto de gastos

Ao menos 16 tubarões foram vistos em Balneário Camboriú desde agosto

Governo de Rondônia proíbe uso da linguagem neutra em escolas públicas e privadas

Nova regra do teto é incluída em PEC dos Precatórios e pode ser votada nesta quinta