Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Aline Lins

Editora geral do Portal ClickPB.

ver coluna →

TCE confirma que Leto Viana recebeu R$ 43 mil este ano referentes a salários de assistente administrativo

Leto está preso desde o mês de abril do ano passado, quando estava exercendo o mandato de prefeito de Cabedelo. Mesmo assim, recebeu pagamentos como assistente de administração este ano.

Leto Viana recebe mais de R$ 7 mil só de VPNI

Por

O Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB) confirmou ao Portal ClickPB que o ex-prefeito de Cabedelo, Leto Viana, embora esteja preso desde abril do ano passado pelos crimes investigados pela Operação Xeque-Mate, recebeu nos meses de janeiro e fevereiro deste ano um total de R$ 43.129,44 a título de salário referente ao cargo efetivo de assistente administrativo. 

À consulta feita com base na Lei de Acesso à Informação, a Ouvidoria do Tribunal detalhou a remuneração do detento, que não está no exercício do cargo. Em janeiro deste ano, por exemplo, o pagamento foi composto por: salário de R$ 1.007,68; diferença salário (R$ 20.982,95); 13º salário (R$ 5.245,73); gratificação por tempo de serviço (R$ 302,30); vantagem pessoal - VPNI (R$ 7.140,40), bem como os descontos.  

O valor pago a Leto consta nos pagamentos de pessoal, segundo dados do Sistema Sagres do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba. Foram pagos R$ 34.679,06 no mês de janeiro e R$ 8.450,38 em fevereiro, totalizando R$ 43.129,44, apesar de Leto estar preso desde o mês de abril do ano passado quando se encontrava no mandato de prefeito, recebendo subsídio como chefe do Poder Executivo municipal, portanto não estava trabalhando como assistente administrativo. Em outubro do ano passado, Leto renunciou ao cargo de prefeito, mas continuou e permanece preso.    

A Operação Xeque-Mate, deflagrada pela Polícia Federal e Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público da Paraíba, investigou o esquema de corrupção envolvendo servidores, vereadores e o ex-prefeito de Cabedelo.  


Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaques da Coluna

ver coluna →

Juíza suspende licitação da Zona Azul de João Pessoa

Mesmo preso, cargo de assistente administrativo em Cabedelo rende a Leto R$ 43.129,44 em janeiro e fevereiro

Empresa alvo da PF vai receber da Prefeitura de Campina R$ 2,99 milhões ​para fazer o São João 2019

Cláusula de barreira deixa partidos sem Fundo Partidário e 'direito de antena'