Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Aline Lins

Editora geral do Portal ClickPB.

ver coluna →

Vigora a 'lei do silêncio' sobre morte do 'Picolé de Manga'

Depois de ter sido arrancado do Centro e levado para a orla de João Pessoa em 2015, pelo segundo ano consecutivo o Bloco 'Picolé de Manga' não cai na folia em João Pessoa

Bloco desfilou pela última vez em 2015 na Epitácio Pessoa (Foto: Divulgação)

Por

"Atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu". Mataram o Bloco pré-carnavalesco 'Picolé de Manga', um dos maiores que desfilaram no Projeto Folia de Rua, sempre na semana de prévias que antecede o Carnaval. Depois de ter sido arrancado do Centro e levado para a Avenida Epitácio Pessoa em 2015, pelo segundo ano consecutivo - em 2016 e 2017 - o Bloco 'Picolé de Manga' não cai na folia em João Pessoa. Na comunidade berço da agremiação, Cordão Encarnado, a choradeira é grande: "acabou-se, acabou-se"! 

Até a sede da ONG, na Rua Dom Carlos Gouveia Coelho, não existe mais no Cordão Encarnado, agora é uma residência onde mora uma família. 

O responsável pelo 'Picolé', Lucélio Cartaxo, ainda não disse uma palavra sobre o assunto, e nem a Associação Folia de Rua quer se meter, embora devesse porque a agremiação 'Picolé de Manga' integra a associação. 

Vigora a lei do silêncio no meio carnavalesco. Todo mundo sabe que não existe mais o 'Picolé de Manga' mas ninguém diz.   

Até parece que o 'Picolé de Manga' tinha um dono. Ou dois. Mas o patrimônio da coletividade não tem um dono: é de todo mundo, é do povo, dos moradores de Cordão Encarnado, da Saturnino de Brito, do bairro Ilha do Bispo e demais localidades daquele entorno, a maioria pessoas carentes, e dos foliões que vinham do resto da cidade. Todos os anos antes do desfile, o público, no Cordão Encarnado, participava de uma degustação do picolé de manga gigante, com 2,70 metros e 300kg em 2015. Era sucesso. 

Em 2016, o bloco ia integrar a programação do Folia de Rua, até que de repente o comando da agremiação cancelou a participação, alegando - pasmem - a crise nacional. Além do 'Picolé de Manga', o bloco infantil 'Dindin de Manga' também não desfilou em 2016.

Em nota, ainda em 2016, os organizadores comunicaram que a decisão foi tomada após uma série de reuniões e que o Picolé de Manga não deixaria de existir porque faz parte das tradições de Carnaval de João Pessoa e integra o calendário festivo da cidade há 23 anos. Este ano, o Picolé faria 24 anos, se não tivesse morrido sem direito sequer a um enterro decente.      

A Organização Não-Governamental Picolé de Manga foi fundada em dezembro de 2005 pelos organizadores do bloco carnavalesco Picolé de Manga, Luciano e Lucélio Cartaxo. A agremiação é integrante da Associação Folia de Rua e em 2010 completou 17 anos de história no carnaval paraibano, concentrando-se tradicionalmente na comunidade Cordão Encarnado, centro de João Pessoa. 

Faltou coerência, para os que pregam a revitalização do Centro Histórico da Capital, e os 'cordão-encarnadenses' merecem pelo menos uma explicação.   

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaques da Coluna

ver coluna →

Juíza suspende licitação da Zona Azul de João Pessoa

TCE confirma que Leto Viana recebeu R$ 43 mil este ano referentes a salários de assistente administrativo

Mesmo preso, cargo de assistente administrativo em Cabedelo rende a Leto R$ 43.129,44 em janeiro e fevereiro

Empresa alvo da PF vai receber da Prefeitura de Campina R$ 2,99 milhões ​para fazer o São João 2019