Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Economia

Editoria sobre Economia ir para editoria →

Economia

Estamos criando o maior open banking do mundo, diz Banco Central

"Estamos criando o maior open banking do mundo e batendo vários recordes mundiais", afirmou em evento virtual promovido pelo BC para tirar dúvidas sobre o novo modelo.

Ao final da implementação, em uma versão mais ampliada, o sistema integrará também produtos não bancários, como seguros e previdência, e será chamado de open finance. (Foto: Reprodução)

Por

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — A segunda fase do open banking brasileiro tem início nesta sexta-feira (13) e, segundo o chefe do departamento de regulação do BC (Banco Central), João André Pereira, é o maior projeto de sistema financeiro aberto do mundo.

"Estamos criando o maior open banking do mundo e batendo vários recordes mundiais", afirmou em evento virtual promovido pelo BC para tirar dúvidas sobre o novo modelo.

Ao final da implementação, em uma versão mais ampliada, o sistema integrará também produtos não bancários, como seguros e previdência, e será chamado de open finance.

A segunda etapa começa com mais de 100 instituições financeiras participantes. Entre eles, apenas 11 são obrigatórios, o restante optou por integrar o projeto.

Os consumidores entrarão de forma escalonada no sistema, que inicialmente funcionará apenas em dias úteis, das 8h às 18h. Até 12 de setembro, 0,1% dos clientes bancários poderá compartilhar seus dados, o equivalente a 50 mil pessoas.

O percentual aumentará progressivamente até outubro, quando 100% das empresas e famílias poderá fazer parte do open banking.

"Batemos recordes em tempo de implementação, quantidade de chamadas [integrações entre instituições] e quantidade de participantes", ressaltou Pereira.

Segundo o BC, os clientes não podem ser cobrados para compartilhar seus dados, mas está em discussão a criação de uma tarifa entre instituições.

Para Pereira, o Brasil terá mais adesão que em outros países que já adotaram o sistema financeiro aberto, como a Inglaterra.

"O ambiente no Brasil é muito diferente, as possibilidades aqui são muito maiores. Temos um espaço grande de inclusão [financeira]. Tivemos 40 milhões incluídas com o auxílio [emergencial], essas pessoas agora tem contato com o sistema financeiro e precisam de produtos mais adequados para o seu perfil", pontuou.

Nesta fase, os clientes poderão solicitar, junto às instituições participantes do sistema, o compartilhamento de seus dados cadastrais e informações sobre transações em contas, cartão de crédito e produtos de crédito contratados.

O compartilhamento de dados só poderá ser feito com a autorização expressa do cliente e sempre para finalidades determinadas e por um prazo específico. Caso queira, o cliente também poderá cancelar essa autorização a qualquer momento e em qualquer das instituições envolvidas.

"O compartilhamento se dá sempre por iniciativa do cliente. Ele pode ir a outra instituição financeira pedir a cotação de um financiamento e autorizar que tenha acesso aos seus dados", explica o técnico do BC.

Segundo o BC, o principal benefício será a oferta de produtos e serviços mais adequados ao perfil de cada consumidor, a custos mais acessíveis e de forma mais ágil e segura.

A primeira fase começou em fevereiro com o compartilhamento de dados apenas das instituições, como endereços, telefones, produtos e serviços oferecidos.

A terceira etapa está prevista para começar em 30 de agosto e a quarta fase em 15 de dezembro.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Paulo Guedes: 'Em nenhum momento eu pedi demissão, em nenhum momento o presidente insinuou'

Bolsa recua 3,4% com especulação sobre Guedes; dólar sobe a R$ 5,72

Paulo Guedes defende auxílio de R$ 400 mesmo furando teto de gastos

Paraíba tem 5ª maior taxa do Brasil de sobrevivência de estabelecimentos iniciados em 2009