Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Economia

Editoria sobre Economia ir para editoria →

Economia

'Governo segue trabalhando em desoneração da folha', diz secretário de Paulo Guedes

"Com a reforma tributária, [estamos] trabalhando para que a gente possa ter uma desoneração da folha e empregar cada vez mais gente", afirmou.

O secretário executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys. (Foto: Reprodução)

Por

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) — O secretário executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys, afirmou nesta sexta (30) que o governo continua trabalhando na desoneração da folha de pagamentos como parte de uma proposta de reforma tributária, que ele diz "ter esperanças" de ser aprovada em 2021.

Na quinta (29), o ministro da Economia, Paulo Guedes, havia afirmado que a desoneração ficaria inviável sem a aprovação de um imposto sobre transações financeiras no país. Guedes defende que a arrecadação do novo imposto compensaria a perda de receita com a redução dos custos com mão-de-obra.

Guaranys participou de debate sobre royalties do petróleo promovido pelos jornais O Globo e Valor Econômico. Em sua fala inicial, afirmou que, passada a emergência da pandemia, é hora de retomar a agenda de reformas proposta pelo governo.

"Com a reforma tributária, [estamos] trabalhando para que a gente possa ter uma desoneração da folha e empregar cada vez mais gente", afirmou. "Vemos muita gente desempregada." Nesta quinta, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), informou que a taxa de desemprego atingiu o recorde de 14,4% em agosto.

Para Guedes, porém, sem o novo imposto, "não tem desoneração, não tem como fazer". Ele fez as declarações durante audiência pública no Congresso, na qual reforçou a defesa de que a redução da contribuição patronal de 20% sobre a folha de pagamentos depende de novo imposto.

Em entrevista à Folha, o líder do governo no Câmara, Ricardo Barros (PP-PR) afirmou que a desoneração reduz em R$ 100 bilhões a receita do governo e, por isso, é necessário encontrar nova fonte de recursos. "Se não tiver outra fonte, não tem desoneração da folha", afirmou.

Também nesta quinta, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), afirmou em conversa com apoiadores que a criação de novos tributos só será discutida pelo governo caso haja a revogação de outros encargos. "Não tem aumento de imposto e ponto final", disse.

No evento desta sexta, Guaranys disse que a agenda de reformas "deu uma parada" durante a pandemia, com a necessidade de focar em medidas emergenciais, mas que será retomada agora, em um momento a economia se recupera em V, em sua avaliação.

Ele reconheceu que as eleições municipais e, depois, a disputa pelas presidências da Câmara e do Senado devem postergar as discussões sobre a reforma tributária, mas afirmou "ter esperança" que o projeto possa ser aprovado até o fim de 2021.

"O momento que temos agora é o momento de retomada do país. E sabemos o quanto nosso sistema tributário amarra a retomada.", disse. "Acho que 2021 ainda é um ano possível. É possível fazer essas discussões dada a prioridade que temos na retomada."

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o Portal ClickPB não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2020 se encerrarem.

Destaque

ir para editoria →

Procon-PB promove mutirão de renegociação de dívidas e atendimento passa a ser digital por conta da pandemi

Prefeitura de João Pessoa paga salário de servidores nos dias 27 e 30 de novembro

Investimento estrangeiro no Brasil piora e despenca 14% em outubro

Dólar é cotado a R$ 5,3564 nesta quarta-feira