Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Economia

Editoria sobre Economia ir para editoria →

Movimentações

Mercado prevê maior salto da taxa de juros em 21 anos com teto de gasto sob risco

Qualquer elevação da Selic em mais de 1 ponto percentual será a maior desde a alta de 3 pontos percentuais do juros ao fim de 2002.

Somente em setembro, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) subiu 1,16% e registrou a maior alta para o mês dos últimos 27 anos. (Foto: Reprodução)

Por

As recentes movimentações econômicas e a chance de o governo furar o teto de gastos para pagar o Auxílio Brasil, programa idealizado para substituir o Bolsa Família, fizeram o mercado financeiro revisar suas apostas e prever a maior alta da taxa básica de juros desde 2002.

Na avaliação das instituições financeiras, o pagamento do novo benefício no valor de R$ 400 vai estimular a inflação e exigir um aumento dos juros em ao menos 1,25 ponto percentual na próxima quarta-feira (27), o que elevaria a Selic ao patamar de 7,5% ao ano.

Desde o início do século, a Selic só subiu mais de 1 ponto percentual em duas oportunidades: em junho de 2001 (de 16,75% ao ano para 18,25% ao ano) e em dezembro de 2002 (de 22% ao ano para 25% ao ano).

A alta de 1,25 ponto percentual da taxa básica de juros se tornou a aposta dos bancos Credit Suisse, JPMorgan e Morgan Stanley. O UBS BB foi mais arrojado e passou a prever que a Selic deve avançar 1,5 ponto percentual, a 7,75% ao ano.

"Embora a decisão final [a respeito do teto de gastos] ainda esteja para ser vista, em nossa opinião ambas as soluções representam uma mudança no quadro fiscal do Brasil e uma piora dos fundamentos e vão exigir ação mais assertiva da política monetária para ancorar expectativas de inflação e reduzir o atual patamar de inflação para o centro da meta", destaca o Credit Suisse.

A alternativa pela elevação da taxa de juros é o instrumento de política monetária mais utilizado para conter a inflação. Isso acontece porque os juros mais altos encarecem o crédito, reduzem a disposição das famílias para consumir e estimulam outras formas de investimento.

Somente em setembro, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) subiu 1,16% e registrou a maior alta para o mês dos últimos 27 anos. No acumulado dos últimos 12 meses, a variação dos preços superou os 10%.

O veredito a respeito do futuro da Selic será dado pelo Copom (Comitê de Política Monetária) na próxima quarta-feira (27), após o fechamento do mercado financeiro. A eventual decisão pela variação recorde ocorreria após cinco avanços consecutivos dos juros, que levaram a Selic ao atual patamar de 6,25% ao ano.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

'Brasil está condenado a crescer', diz Guedes, um dia após queda do PIB

Vale-gás de R$ 52 começa a ser pago neste mês; veja quem tem direito

Pretos e pardos com curso universitário ganham 31% menos do que brancos, diz IBGE

Sem auxílio, extrema pobreza teria atingido 27 milhões no Brasil em 2020, diz IBGE