Projeto

Senado aprova taxação de investimentos no exterior e fundos exclusivos; texto vai à sanção

Proposta é considerada essencial pela equipe econômica do governo para aumentar arrecadação federal em 2024 em R$ 20 bilhões.

Senado aprova taxação de investimentos no exterior e fundos exclusivos; texto vai à sanção

O PL já havia sido chancelado pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) da Casa na semana passada — Foto:Reprodução

O Senado Federal aprovou nesta quarta-feira (29) o projeto de lei que taxa investimentos no exterior e fundos exclusivos. Agora, o texto segue para a sanção presidencial.

A taxação das offshores e dos fundos exclusivos é considerada essencial pelo Ministério da Fazenda para arrecadar cerca de R$ 20 bilhões em 2024 e zerar o déficit nas contas públicas.

Segundo o relator da matéria, o senador Alessandro Vieira (MDB-SE), as novas regras para taxação desses investimentos são importantes para “equiparar a legislação brasileira com a das principais economias do mundo”.

Offshore é uma nomenclatura usada para investimentos feitos no exterior. Geralmente, esses fundos têm sede em outro país e contam com ativos internacionais. Em muitos casos, porém, o gestor desse investimento está no Brasil.

Atualmente, no caso de offshores, a taxação ocorre apenas se uma empresa localizada no exterior transfere o lucro da companhia para o sócio pessoa física no Brasil. Se o sócio, no entanto, optar por manter os recursos no exterior, a tributação é adiada e, em alguns casos, nem chega a acontecer.

A tributação será feita com a alíquota de 15%, independente dos valores dos rendimentos, de forma anual.

Pelo texto, a variação cambial de depósitos em conta corrente ou em cartão de débito ou crédito no exterior não ficará sujeita à tributação “desde que os depósitos não sejam remunerados e sejam mantidos em instituição financeira no exterior reconhecida e autorizada a funcionar pela autoridade monetária do país em que estiver situada”.

Já a variação cambial de moeda estrangeira em espécie não ficará sujeita à taxação até o limite de venda de moeda equivalente a US$ 5 mil no ano.

Fundos exclusivos

Já fundos exclusivos são produtos montados especificamente para um ou alguns cotistas (geralmente membros de um mesmo grupo ou família). Atualmente, a tributação ocorre somente no momento de resgate da aplicação.

Dados do governo federal mostram que 2,5 mil brasileiros têm recursos aplicados nesses fundos, que acumulam R$ 756,8 bilhões. Eles correspondem a 12,3% dos fundos no país.

De acordo com a proposta, rendimentos decorrentes de fundos de investimento serão submetidos a uma tributação semestral periódica (chamada de “come-cotas”), com alíquotas de 15% no caso dos fundos de longo prazo, e de 20%, no caso dos fundos de curto prazo.

Atualização de rendimentos

O texto prevê uma taxa de 8% para quem optar por atualizar os rendimentos até 31 de dezembro deste ano.

A tributação vale para fundos exclusivos e para offshores, sendo voluntária para este último.

A partir de janeiro de 2024, valem as alíquotas estabelecidas para os rendimentos de offshores e fundos exclusivos.

COMPARTILHE

Bombando em Economia

1

Economia

Receita Federal paga hoje R$ 304 milhões de restituição em lote residual do Imposto de Renda

2

Economia

Paraíba é o melhor Estado do Nordeste e 3º do Brasil na relação receita versus despesa

3

Economia

Desemprego volta a subir em janeiro e atinge 8,3 milhões de brasileiros

4

Economia

Começam hoje as inscrições para concurso da Caixa com quase 40 vagas na Paraíba e salários de até R$ 11 mil

5

Economia

Prefeitura de Campina Grande realiza hoje pagamento dos servidores efetivos e inativos do Município