Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Educação

Editoria sobre Educação ir para editoria →

19,7%

Após MEC anunciar corte de verbas, secretário de Planejamento da UFCG diz que universidade terá perda de R$ 17,5 milhões em 2021

Segundo o secretário, "o corte na UFCG foi de 19,7% nos recursos discricionários." O percentual de baixa na universidade paraibana chega a ser maior do que o corte linear, que é de 18,2%.

Em ofício, o presidente da ANDIFES, reitor Edward Madureira Brasil, narrou a dificuldade de cada instituição em manter ensino, pesquisa e extensão em 2021 com essa queda no valor dos recursos. (Foto: Divulgação/Ascom UFCG)

Por

O secretário de Planejamento da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Camilo Farias, informou ao ClickPB, nesta terça-feira (11), que a instituição terá uma perda de R$ 17,5 milhões, de acordo com a previsão do Ministério da Educação (MEC) de corte de R$ 4,2 bilhões no orçamento para 2021. Segundo o secretário, "o corte na UFCG foi de 19,7% nos recursos discricionários." O percentual de baixa na universidade paraibana chega a ser maior do que o corte linear, que é de 18,2%.

Errata: inicialmente, em contato ontem (11) com o ClickPB, o secretário Camilo Farias informou o valor de R$ 18,3 milhões de perda da UFCG com o corte previsto. Hoje (12), em novo contato, o secretário corrigiu a informação, informando o valor de R$ 17,5 milhões.

Camilo Farias informou ao ClickPB que essa perda da UFCG "impacta na assistência estudantil; na manutenção e funcionamento da instituição (serviços de conservação e limpeza, portaria, motorista, vigilância patrimonial e apoio administrativo, energia, água, material de consumo e expediente (papel, caneta, descartáveis etc.), bolsas acadêmicas, manutenção predial, manutenção de veículos e equipamentos, combustíveis, passagens e diárias, entre outros); e nos recursos aplicados em patrimônio (obras, mobiliário, livros, computadores, data-shows, aparelhos de ar-condicionado, equipamentos de laboratórios e outros)."

Ele lembrou que as universidades terão que enfrentar não somente as despesas de rotina, mas também as adaptações para o combate à Covid-19, durante a pandemia. "Ainda estamos trabalhando em possíveis soluções. Além das despesas de rotina, temos que preparar a universidade para o enfrentamento da pandemia, com a disponibilização de medidas de biossegurança."

O ClickPB tentou saber com a UFPB e o IFPB os valores de perda projetados por essas instituições com o corte anunciado pelo MEC, mas ainda não obteve os dados.

O corte de 18,2% consta no Projeto de Lei Orçamentária Anual 2021, que ainda vai ser apresentado no Congresso Nacional, para apreciação.

Em ofício, o presidente da ANDIFES (Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior), reitor Edward Madureira Brasil, narrou a dificuldade de cada instituição em manter ensino, pesquisa e extensão em 2021 com essa queda no valor dos recursos. Ele também citou que o corte desconsidera o aumento das demandas por causa da pandemia da Covid-19. O presidente da ANDIFES sugeriu que as metas fiscais reflitam a realidade das demandas.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o Portal ClickPB não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2020 se encerrarem.

Destaque

ir para editoria →

Secretaria de Saúde da Paraíba aciona Procuradoria Geral do Estado contra retomada de aulas presenciais em Cabedelo

Prefeitura autoriza retomada imediata das aulas presenciais nas instituições particulares de ensino superior em Cabedelo

UFPB lança biblioteca itinerante para doar livros em João Pessoa, Areia, Bananeiras, Rio Tinto e Mamanguape

Escolas da Paraíba terão que disponibilizar máscaras para profissionais e estudantes na volta às aulas presenciais