Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Eleições

Editoria sobre Eleições ir para editoria →

Investigação

Ministério Público pede cassação do registro de candidatura de Luciene de Fofinho por abuso de poder econômico

Luciene de Fofinho é acusada pelo MPE por abuso de poder econômico no município.

MPE pediu a cassação do registro de candidatura de Luciene de Fofinho (Foto: Reprodução)

Por

O Ministério Público Eleitoral entrou com uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral Jugada (AIJE) e pede a cassação do registro de candidatura para reeleição de Luciene de Fofinho para Prefeitura de Bayeux. Luciene de Fofinho é acusada pelo MPE por abuso de poder econômico no município. 

De acordo com o documento que o ClickPB teve acesso, a promotoria revela que a atual prefeita convocou o vereador de Maturéia, Bruno Wanderley,  para assumir a Secretaria Municipal de Saúde de Bayeux. O promotor alerta que o cargo "precisa de dedicação exclusiva", e o secretário também é candidato a reeleição no município de Maturéia. 

"É de se estranhar como um político, em plena campanha, deixa seu domicílio eleitoral e aceita gerir a Secretaria de Saúde de uma cidade, além de distante, como anteriormente dito, é totalmente estranha aos seus interesses", afirma o promotor.

Logo em seguida a promotoria revela que Luciene de Fofinho realizou contratações de empresas, compra de máquinas com alto valor, além de aglomerações para entrega de cestas básicas, também de alto valor. A promotoria também acusa a atual prefeita de causar aglomerações, com a população sem máscara e proteção contra o coronavírus. 

Também é acusada de contratar uma empresa de Pernambuco para sanitizar escolas do município, mesmo estas sem previsão para reabertura devido à pandemia. 

" As práticas abusivas de Luciene Gomes consubstanciam hediondo desvio de finalidade administrativa e perfectibiliza o abuso de poder político qualificado, a ensejar a aplicação das sanções previstas no art. 22, XIV da LC nº 64/905", afirma. 

" Considerando que as atitudes acintosas da candidata Luciene Gomes está sendo feita em plena campanha eleitoral, é fácil deduzir que o objetivo é obter o voto do eleitor, usando a máquina pública", continua. 

O documento é assinado pelo promotor eleitoral da 61ª zona, Demetrius Castro de Albuquerque Cruz. 

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Fundos públicos gastaram R$ 1,7 mi com candidatos sem adversários

Mais de 284 mil pessoas ainda não justificaram ausência nas eleições da Paraíba

Termina nesta quinta-feira prazo para que eleitor justifique ausência ao 1º turno das Eleições 2020

Eleitor tem até a próxima quinta-feira para justificar ausência no primeiro turno