Exclusivo

Polícia Civil abre inquérito contra noiva de jogador do Botafogo-PB para investigar possível crime de racismo xenofóbico

Conforme apurou o ClickPB, a investigação está sendo realizada pela Delegacia Especializada de Crimes Homofóbicos, Raciais e de Intolerância Religiosa – DECHRADI, sob responsabilidade do delegado Marcelo Falcone.

Polícia Civil abre inquérito contra noiva de jogador do Botafogo-PB para investigar possível crime de racismo xenofóbico

No conteúdo gravado por Drica, divulgado no instagram, ela afirmava que se irritou com o sotaque e o "arrastado do chinelo" de algumas pessoas dentro de um supermercado. — Foto:Reprodução/Redes Sociais

A Polícia Civil da Paraíba instaurou um inquérito para apurar possível crime de racismo xenofóbico praticado por Drica Borba, noiva do jogador Léo Campos, do Botafogo da Paraíba, em conteúdos publicados em uma rede social. Conforme apurou o ClickPB, a investigação está sendo realizada pela Delegacia Especializada de Crimes Homofóbicos, Raciais e de Intolerância Religiosa – DECHRADI, sob responsabilidade do delegado Marcelo Falcone.

Ao portal ClickPB, o delegado Marcelo informou que Borba ainda irá ser intimada. Casos de racismo xenofóbicos são tipificados no artigo 20º da Lei 77/16/1989. Quando comprovados, podem levar a pena de 1 a 3 anos de reclusão + pagamento de multa, no entanto podem ocorrer agravamentos. “O básico é de 1 a 3 anos. Mas aí tem os agravamentos que a depender do que o juiz e promotor entendam”, detalhou. 

No caso específico de Drica, segundo apurou a reportagem, um possível agravamento é publicação em rede social. A lei define que para estes casos a penalidade, caso a pessoa seja condenada, é de 2 a 5 anos além do pagamento de multa. Além disso, como Adriana (Drica) Borba, em tese, postou o vídeo de forma ‘recreativa’, poderá existir um outro agravante, possibilidade confirmada pela Polícia Civil. 

No conteúdo gravado pela jovem, divulgado no instagram, ela afirmava que se irritou com o sotaque e o “arrastado do chinelo” de algumas pessoas dentro de um supermercado. O vídeo  viralizou e a companheira do jogador deletou o perfil.  

Já o atleta, depois das cobranças, fechou o acesso a sua conta na mesma rede social. O Belo emitiu nota em que repudiou atos de discriminação e justificou que os envolvidos já pediram desculpas. O casal foi às redes sociais, em outro vídeo, se desculpar pelas falas de Drica.

Ainda ontem (25), o Ministério Público anunciou que o Núcleo de Gênero, Diversidade e Igualdade Racial do órgão vai instaurar procedimento para também apurar a eventual prática de racismo nos comentários sobre o sotaque e costumes nordestinos veiculados nas redes sociais de Drica. 

Adriana Borba (Drica) é natural de Santa Catarina. Veio residir em João Pessoa após a contratação do noivo para o elenco do Belo. O inquérito da Polícia Civil ao qual responderá deve er finalizado em até um mês. 

COMPARTILHE

Bombando em Esporte

1

Esporte

Ativo no mercado, Treze-PB acerta com o atacante Jefinho, ex-Boa Vista

2

Esporte

Treze-PB anuncia chegada do zagueiro Milani, ex-Flamengo

3

Esporte

Técnico do Botafogo-PB avalia jogo ‘difícil’ contra o Floresta e celebra estreia positiva na Série C

4

Esporte

Botafogo-PB bate o Floresta e estreia com vitória na Série C

5

Esporte

No jogo mais esperado da rodada, Palmeiras e Flamengo ficam no empate