Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Mundo

Editoria sobre Mundo ir para editoria →

Mundo

China acusa EUA de corrida armamentista com míssil hipersônico

A crítica veio após o anúncio americano de que o país e seus parceiros militares Reino Unido e Austrália irão desenvolver um míssil hipersônico.

Foto de teste malsucedido de míssil hipersônico americano, lançado por um B-52 em 2010. (Foto: Força Aérea dos Estados Unidos - 26.mar.2010/AFP)

Por

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) — A China acusou os Estados Unidos nesta quarta-feira (6) de fomentar uma corrida armamentista na Ásia. A crítica veio após o anúncio americano de que o país e seus parceiros militares Reino Unido e Austrália irão desenvolver um míssil hipersônico.

Segundo o porta-voz da chancelaria chinesa Zhao Lijian, os planos de cooperação bélica dos países dentro do pacto conhecido com Aukus (acrônimo a partir de suas iniciais em inglês) "não apenas aumentam o risco de proliferação nuclear, mas também intensificam ainda mais a corrida armamentista na Ásia-Pacífico". "Os países da região precisam estar altamente vigilantes", disse.

A citação à questão da proliferação se deve ao fato de que o primeiro objetivo declarado do Aukus, fundado em setembro passado, era o de fornecer à Austrália submarinos de propulsão nuclear -mas não para lançar armas atômicas, e sim convencionais.

Na terça (5), os líderes do Aukus, Joe Biden à frente, haviam divulgado a intenção de aprofundar sua cooperação militar, incluindo aí mísseis hipersônicos. A medida é direcionada à China, razão da existência do pacto, mas também à Rússia.

Na guerra da Ucrânia, Moscou testou pela primeira vez em combate um modelo de míssil hipersônico, o Kinjal (punhal, em russo). Do ponto de vista militar, eles não fariam diferença, dado que as defesas antiaéreas ucranianas não têm sofisticação suficiente contra a arma, que voa a até 10 vezes a velocidade do som e pode manobrar, segundo os russos.

Assim, foi tanto um teste prático quanto uma demonstração de força. A China, segundo os EUA, testou um modelo mais sofisticado de míssil hipersônico no fim do ano passado, embora negue o ensaio e diga que se tratava apenas de um experimento espacial.

Até a Coreia do Norte, outra rival americana e apoiada por Moscou e Pequim, entrou na onda e anunciou em janeiro ter lançado um míssil do tipo. Não há confirmação independente disso, mas é evidente que o tema virou prioridade no campo contrário a Washington.

Os americanos vinham patinando no tema, apesar de o pesquiar há décadas. Na terça, contudo, a Darpa (Agência de Pesquisa Avançada de Projetos de Defesa, na sigla inglesa), completou o anúncio de Biden, Boris Johnson (Reino Unido) e Scott Morrison (Austrália) dizendo que havia feito um teste há duas semanas de um novo modelos hipersônico.

Desta vez, ao contrário do que ocorreu no ano passado, o míssil voou 555 km a 19,8 km de altitude com velocidades pouco acima de Mach 5, ou cinco vezes a do som. O teste não foi divulgado antes porque havia o temor de elevar a tensão explosiva com a Rússia devido à guerra.

Dias antes do conflito, Vladimir Putin fez testes de armas hipersônicas e intercontinentais de seu arsenal nuclear. No anúncio da guerra, ameaçou sem muita sutileza usar ogivas atômicas contra quem se intrometesse no assunto e, logo depois, colocou suas forças estratégicas em alerta máximo. De repente, o risco de uma Terceira Guerra Mundial entrou com naturalidade nos discursos de políticos.

O míssil americano utiliza o chamado scramjet, que faz a combustão interna com fluxo de ar supersônico. É o mesmo princípio do russo Tsirkon (zircão), que está em fase avançada de teste, mas não operacional. Já o Kinjal é basicamente um míssil balístico com combustível sólido disparado de aviões, uma tecnologia mais antiga, com a alegada capacidade de manobra.

Os EUA separaram US$ 4,7 bilhões em seu orçamento enviado ao Congresso para o ano fiscal de 2023 (outubro deste ano até setembro do que vem) para hipersônicos, dentro de um orçamento de desenvolvimento de armas que chega a US$ 130 bilhões.

O Aukus é um dos instrumentos da política agressiva de Biden ante a China, que até a guerra havia aproximado Putin e Xi Jinping a ponto de formar uma aliança retórica na Guerra Fria 2.0 entre Pequim e Washington. Outro é o Quad, um pacto de segurança com a mesma Austrália e outros dos rivais dos chineses na região, Japão e Índia.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Urso come mel alucinógeno na Turquia e precisa ser resgatado

Padre chuta cachorro em missa e revolta internautas

Modelo do OnlyFans é presa por ter matado o namorado com uma faca nos EUA

Trump se recusa a responder interrogatório para procuradora-geral de Nova York