Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Mundo

Editoria sobre Mundo ir para editoria →

Ásia

China faz nova manobra militar como 'alerta solene' aos EUA sobre Taiwan

Quatro aviões ficaram no ar escoltados por caças, e acompanhados por aviões de combate da Coreia do Sul e do Japão, por 13 horas.

Unidade feminina do Exército de Taiwan durante simulação de invasão da ilha pelos chineses - (Foto: Tyrone Siu - 30.mai.2019/Reuters)

Por

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) — A tumultuada passagem do presidente americano Joe Biden pela Ásia seguiu reverberando nesta quarta (25), com a China anunciando ter feito um exercício militar perto de Taiwan como um "alerta solene contra a recente colusão entre os Estados Unidos" e a ilha que considera sua.

A manobra ocorreu um dia depois de Rússia e China fazerem sua primeira patrulha conjunta com bombardeiros capazes de empregar armas nucleares no mar do Japão desde o começo da Guerra da Ucrânia, há três meses.

Quatro aviões ficaram no ar escoltados por caças, e acompanhados por aviões de combate da Coreia do Sul e do Japão, por 13 horas. No período, Biden se encontrava em Tóquio com os líderes japonês, indiano e australiano, seus parceiros no grupo anti-China Quad.

Apesar da obviedade do recado, o episódio da terça (24) não recebeu comentários adicionais de Pequim ou Moscou. Já as manobras desta quarta sim, e feitas pelo Comando do Teatro Oriental do Exército de Libertação Popular. "É hipócrita e fútil para os EUA dizerem uma coisa e fazerem outra na questão de Taiwan", afirmou o porta-voz Shi Yi.

O exercício aeronaval, que não foi detalhado, foi "um aviso solene contra a recente colusão entre EUA e Taiwan", disse. Se o recado de terça ampliava o escopo da questão, já que os EUA e o Quad têm feito ameaças à China no caso de Pequim querer emular Moscou e atacar Taiwan como Vladimir Putin fez na Ucrânia, agora o endereço era focado.

Era a fala de Biden na segunda, quando reafirmou que defenderia militarmente a ilha em caso de invasão. Diferentemente da Ucrânia, país soberano desde o fim da União Soviética em 1991, Taiwan é vista pelos chineses como sua – apesar da ambiguidade, EUA e praticamente todo o resto do mundo concordam na teoria.

O presidente americano até tentou consertar no dia seguinte, após ter sido acusado de "brincar com fogo" por Pequim. A incorporação de Taiwan à ditadura comunista é uma promessa do líder Xi Jinping, que escalou a atividade militar em torno da ilha nos dois últimos anos para aumentar a pressão política sobre os grupos pró-independência do território.

Na prática, analistas duvidam que seja mais do que uma ameaça por dois motivos. Primeiro, a possibilidade de trazer os EUA de fato para uma guerra, com um potencial de destruir uma frota invasora chinesa razoável.

Segundo, as capacidades militares da ilha, que só tem cerca de 10% de sua costa permeável a desembarques de tropa. Isso e o terreno montanhoso facilitam sua defesa, e obrigariam a China a usar um poder de fogo incompatível com a ideia de que está lá para libertar a população dos capitalistas de Taipé.

Por outro lado, a determinação de Pequim parece férrea. Xi tem enfrentado dificuldades econômicas, administrativas e políticas, que podem gerar uma antes impensável contestação de seu plano de permanecer no poder após o fim do seu segundo mandato – isso será definido em novembro, no congresso do Partido Comunista.

É tudo especulação, dado o grau de controle de Xi sobre o país desde que chegou ao poder, há dez anos. Nesse campo, contudo, mesmo uma ação contra Taiwan poderia asseverar sua posição: regimes autoritários adoram uma guerra, como o aliado da China Putin e a junta militar argentina de 1982 nas Malvinas provam.

O exercício conjunto de terça, mais do que a demonstração de quarta, sugerem que a distância que Xi tenta estabelecer da confusão na Europa não necessariamente se aplica à relação militar com Putin, com quem selou um pacto de amizade visto como marco da Guerra Fria 2.0 contra os EUA, 20 dias antes de as bombas caírem na Ucrânia.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Urso come mel alucinógeno na Turquia e precisa ser resgatado

Padre chuta cachorro em missa e revolta internautas

Modelo do OnlyFans é presa por ter matado o namorado com uma faca nos EUA

Trump se recusa a responder interrogatório para procuradora-geral de Nova York