Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Mundo

Editoria sobre Mundo ir para editoria →

Mundo

China passa a usar testes retais para detectar Covid-19, informa TV estatal

Segundo médico, teste retal 'aumenta a taxa de detecção de pessoas infectadas' porque o coronavírus permanece mais tempo no ânus do que no nariz ou na garganta.

Profissionais de saúde guardam swab em tubo após coletar amostra do nariz para teste de Covid-19, no Panamá, no dia 15. (Foto: Arnulfo Franco/AP)

Por

A China está recorrendo a testes retais para detectar a Covid-19 em indivíduos de risco e em viajantes que chegam do exterior.

O país tem conseguido conter a pandemia com testes em massa e lockdowns onde novos casos são registrados. Mas, nas últimas semanas, surtos locais têm levado autoridades de saúde a testar dezenas de milhares de pessoas pelo método PCR.

As amostras geralmente são retiradas do nariz ou da garganta. Mas moradores de vários bairros de Pequim, onde foram descobertos casos recentemente, têm sido submetidos a testes retais, segundo a emissora pública CCTV.

A medida também está sendo imposta a pessoas em quarentena obrigatória em hotéis, incluindo viajantes do exterior.

O médico Li Tongzeng, do hospital You'an em Pequim, afirmou à CCTV que o teste retal "aumenta a taxa de detecção de pessoas infectadas" porque o coronavírus permanece mais tempo no ânus do que no trato respiratório.

Segundo a TV estatal, os testes retais não serão generalizados porque "não são práticos o suficiente".

"Considerando que coletar swab anais não é tão conveniente quanto os de garganta, no momento apenas grupos-chave, como aqueles em quarentena, recebem ambos", afirmou Tongzeng.

Testes em crianças e professores

Mais de mil crianças em idade escolar e professores foram testados em Pequim pelo ânus, pela garganta e pelo nariz na semana passada, além de fazer o teste de anticorpos, segundo a Bloomberg.

Os exames foram realizados após a descoberta de um caso assintomático, de acordo com autoridades locais.

Na segunda-feira (25), passageiros de um voo de Changchun (capital e maior cidade da província de Jilin) para Pequim tiveram de desembarcar após autoridades descobrirem que um pessoa de uma área considerada de alto risco para transmissão do vírus estava a bordo.

Segundo a Bloomberg, os passageiros foram levados a um hotel, onde profissionais de saúde coletaram amostras de nariz e do ânus.

Nas redes sociais, chineses têm reagido aos testes. "Não é muito doloroso, mas é super humilhante", afirmou um usuário da rede social Weibo.

Restrições a viagens

A China, que já restringiu severamente os voos internacionais desde março de 2020, aumentou as restrições nos últimos meses.

Todas as pessoas que desejam viajar ao país devem apresentar dois testes negativos (PCR e sorológico) antes do embarque e, na chegada e por conta própria, precisam ficar em quarentena por ao menos 14 dias em um hotel.

Nesta quarta-feira (27), Pequim passou a restringir a entrada de viajantes e a exigir teste negativo de Covid-19 mesmo de quem viajar de regiões do país onde há baixa incidência da doença.

Após a chegada, os viajantes autorizados a entrar devem monitorar sua saúde por 14 dias, embora possam se locomover livremente, e serão feitos testes de Covid-19 no 7º e no 14º dia após a chegada.

Viajantes de áreas de alto ou médio risco, onde há mais infecções, estão proibidos de entrar na capital chinesa.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

EUA tentarão voltar ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, diz secretário de Estado

Fadiga de metal é principal suspeita em falha de motor do avião da United Airlines

Absorventes serão gratuitos para as estudantes na França

Reino Unido se prepara para sair do lockdown após queda de 81% nos casos de Covid-19