Guerra

Conselho de Segurança da ONU aprova por 14 votos cessar-fogo na guerra na Faixa de Gaza

A aprovação do texto pelo Conselho, proposto pelos EUA, não implica que a trégua será cumprida por Israel e pelo Hamas.

Reunião do Conselho de Segurança da ONU em abril de 2024 — Foto: Charly Triballeau/AFP

Reunião do Conselho de Segurança da ONU em abril de 2024 — Foto: Charly Triballeau/AFP

O Conselho de Segurança da ONU aprovou, nesta segunda-feira (10), uma resolução de cessar-fogo na guerra entre Israel e o grupo terrorista Hamas na Faixa de Gaza.

O texto foi proposto pelos Estados Unidos, que pediu ao Hamas que a aceite. O placar da votação foi de 14 votos a favor, zero contra e 1 abstenção, da Rússia.

A resolução demanda “as duas partes a aplicarem plenamente os seus termos, sem demora e sem condições”.

“Hoje, o Conselho manda uma mensagem clara ao Hamas: aceite a proposta posta na mesa. Israel já aceitou o acordo e os combates poderiam parar hoje, se Hamas fizer o mesmo. Repito: os combates poderiam parar hoje”, afirmou a embaixadora dos EUA na ONU, Linda Thomas-Greenfield.

A aprovação do projeto do Conselho, no entanto, não significa que as partes em guerra, Israel e Hamas vão cumpri-lo. 

O que pode acontecer se Israel e Hamas descumprirem resoluções do Conselho de Segurança da ONU

Em uma primeira fase, o plano prevê os seguintes termos:

  • Cessar-fogo com duração de seis semanas
  • Recuo das forças Israel das áreas densamente povoadas da Faixa de Gaza
  • Libertação de certos reféns sequestrados durante o ataque do grupo terrorista Hamas e de prisioneiros palestinos detidos por Israel.

Em comunicado, Hamas saudou a aprovação da resolução de cessar-fogo e afirmou que está pronto para cooperar com os mediadores para a implementação dos os princípios do acordo “que estão em consonância com as demandas de nosso povo e resistência”.

Israel ainda não se manifestou oficialmente até a última atualização desta reportagem.

A Presidência da Autoridade Palestina felicitou a aprovação do texto pelo Conselho de Segurança e disse que apoia qualquer resolução a favor do cessar-fogo imediato em Gaza.

O texto da resolução, à qual a agência de notícias AFP teve acesso, “saúda” uma proposta de trégua anunciada em 31 de maio pelo presidente americano, Joe Biden.

Também afirma, diferentemente das versões anteriores, que o plano foi “aceito” por Israel.

Os EUA são os maiores aliados de Israel e têm protegido o país em votações anteriores, vetando outros três acordos de cessar-fogo na guerra votados pela ONU, sendo a última delas em fevereiro.

Embora Biden tenha afirmado que o plano surgiu de Israel, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse que pretende continuar a guerra até acabar com o Hamas.

“Queremos pressionar o Hamas para que aceite este acordo, é por isso que temos esta resolução, porque estamos prestes a conseguir algo realmente importante”, acrescentou o representante dos Estados Unidos, país que tem sido amplamente criticado por bloquear vários projetos de resolução que pediam um cessar-fogo em Gaza.

Resoluções anteriores ignoradas

Em março, o Conselho de Segurança já havia aprovado uma resolução de cessar-fogo imediato na guerra, que não foi seguida por Israel e Hamas. Isso acontece porque, embora as resoluções aprovadas pelo Conselho sejam juridicamente vinculativas, na prática acabam ignoradas por muitos países.

“Uma resolução não tem força coercitiva. O que é mais falho no sistema jurídico internacional é exatamente o mecanismo de sanções. Ainda é muito difícil impor uma obrigação. Israel, por exemplo, já foi condenado pela Corte de Haia pela construção do muro (entre seu país e a Cisjordânia) e não deu a menor satisfação”, afirmou ao g1 a ex-juíza do Tribunal de Haia Sylvia Steiner em novembro de 2023, no contexto da votação de uma outra resolução para a guerra.

Gabinete de Guerra israelense

No domingo, Benny Gantz, que faz parte da coalizão do governo Netanyahu, anunciou que deixou o Gabinete de Guerra do governo de Israel.

Gantz estava pedindo um acordo de cessar-fogo e propunha que uma entidade independente, formada por americanos, europeus, palestinos e outros árabes, formassem uma organização para governar a Faixa de Gaza após a guerra.

Com a saída de Gantz, um moderado, do gabinete de guerra, a tendência é que os grupos mais conservadores tenham mais poder para tomar as decisões sobre a guerra.

Secretário de Estado americano vai ao Oriente Médio

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, em visita ao Oriente Médio, pediu nesta segunda-feira que os países da região pressionem o movimento islamista palestino para que aceite o acordo.

“Minha mensagem para os governos na região é que, se quiserem um cessar-fogo, pressionem o Hamas para que diga sim”, disse ele aos jornalistas no Cairo.

Desde o ataque sem precedentes do Hamas em 7 de outubro e da resposta israelense em Gaza, o Conselho de Segurança tem lutado para se expressar de forma unida sobre o conflito.

Depois de duas resoluções focadas principalmente na ajuda humanitária, no final de março finalmente exigiu um “cessar-fogo imediato” durante o Ramadã, com a abstenção dos EUA.

G1

COMPARTILHE

Bombando em Mundo

1

Mundo

Justiça dos EUA derruba lei da Flórida que proibia tratamento para transição de gênero de menores de idade

2

Mundo

Incêndio atinge Palácio de Versalhes, na França

3

Mundo

‘Não cabíamos mais’: 300 moradores de ilha no Caribe são ‘expulsos’ por elevação do nível do mar

4

Mundo

Exército israelense anuncia resgate de 4 reféns em Gaza; vídeo mostra reencontro de jovem com o pai

5

Mundo

Primeira-ministra da Dinamarca é atacada em Copenhague; polícia prende suspeito