Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Mundo

Editoria sobre Mundo ir para editoria →

Europa

Credibilidade ambiental do Brasil depende de Bolsonaro, diz eurodeputada

A eurodeputada Anna Cavazzini integra a delegação do Parlamento Europeu para relações com o Brasil.

Segundo Cavazzini, a renúncia de Salles poderia propiciar "um retorno a políticas e práticas ambientalmente corretas no Brasil". (Foto: Reprodução)

Por

BRUXELAS, BÉLGICA (FOLHAPRESS) — "O que importa para nós não é quem é o ministro, mas, sim, os resultados de seu trabalho em termos de proteção ambiental", disse nesta quinta (24) a eurodeputada alemã Anna Cavazzini, ao comentar a renúncia de Ricardo Salles e sua substituição por Joaquim Pereira Leite.

Cavazzini, que integra a delegação do Parlamento Europeu para relações com o Brasil e é membro da Comissão de Comércio Exterior e o Grupo de Trabalho de Conduta Empresarial Responsável, tem sido uma das políticas europeias mais críticas do desmatamento da Amazônia.

A eurodeputada tem feito pressão contra a ratificação do acordo comercial entre União Europeia e o Mercosul, citando a alta no desmatamento da Amazônia, de 222% em 2019 em relação a 2018, segundo dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

Ao todo, foram 9.205 km2 desmatados naquele ano, o equivalente a 80% de um país como a Jamaica. Incêndios florestais ganharam projeção internacional e elevaram as críticas contra o que é visto como falta de governança ambiental.

Segundo Cavazzini, a renúncia de Salles poderia propiciar "um retorno a políticas e práticas ambientalmente corretas no Brasil, mas esta será uma oportunidade perdida, a menos que o presidente [Jair] Bolsonaro esteja disposto a mudar significativamente seu curso".

Integrante do partido Verde, a eurodeputada fez parte de um grupo de parlamentares que no ano passado pediu ao Congresso do Brasil que não deixassem avançar projetos como o do chamado "projeto de lei da grilagem" (PL 2633/2020), alterações no sistema de licenciamento ambiental (PL 3.729 / 2004) e na pesquisa e extração de recursos em terras indígenas (PL 191/2020).

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Ator Alec Baldwin dispara arma e mata diretora em set de filmagem

Rainha Elizabeth II passa a noite em hospital em Londres

Foca é resgatada após nadar por duas semanas com lata presa na boca

Aquecimento global desperta vulcões na Islândia e pode afetar clima europeu