Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Mundo

Editoria sobre Mundo ir para editoria →

Extradição

Foragido assume autoria de ataque ao Porta dos Fundos e diz que pedirá asilo na Rússia

Procurado há quatro dias, Eduardo Fauzi afirma em entrevista que soube com antecedência da expedição do mandado de prisão do qual era alvo.

O Ministério da Justiça aguarda uma solicitação do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) para encaminhar o pedido de extradição do brasileiro à Rússia. (Foto: reprodução)

Por

RIO - Procurado pela Polícia Civil do Rio de Janeiro desde terça-feira, o economista e empresário Eduardo Fauzi Richard Cerquise, de 41 anos, assumiu nesta sexta-feira a autoria do ataque à sede da produtora de vídeos Porta dos Fundos, no Humaitá, Zona Sul do Rio, na véspera de Natal, e afirmou que irá pedir asilo político na Rússia, para onde viajou no dia 29 de dezembro.

Em entrevista concedida ao "Projeto Colabora", Fauzi também declarou que soube com antecedência sobre a expedição de um mandado de prisão contra ele, cumprido em operação policial na última terça-feira. Ele não foi encontrado e, desde quinta-feira, com a informação de que viajou para Moscou, seu nome foi incluído na lista de procurados da Interpol.

— Eu sou o candidato típico (ao asilo). Mas a decisão é política. Se não houver interesse político eles não me não me asilam — disse Fauzi ao portal, ao afirmar que passou os três primeiros dias do ano ocupado com os trâmites para encaminhar seu pedido às autoridades russas.

Perguntas e respostas : O que já se sabe e o que ainda falta descobrir sobre o ataque ao Porta dos Fundos

Com 20 anotações anteriores em sua ficha criminal, Fauzi foi reconhecido por investigadores em vídeos de uma câmera de segurança registrados após o ataque. Ele aparece em Botafogo, bairro vizinho ao Humaitá, enquanto desembarca e retira uma fita que protegia a placa do carro utilizado no atentado. A polícia acredita que ele dirigia o veículo utilizado na ação que envolveu pelo menos outras quatro pessoas.

— Achavam que fui muito estúpido pra não cobrir o rosto e não alterar a voz, mas fui conectado o suficiente pra ser avisado do mandado a tempo de viajar pra fora do país — justificou Fauzi ao "Colabora".

Questionado sobre os objetivos do ataque, Fauzi, que é filiado ao PSL, disse que agiu apenas por motivação política. Na entrevista e em um vídeo divulgado durante a semana, ele demonstrou insatisfação com o especial de Natal do Porta dos Fundos ("A primeira tentação de Cristo"), na qual Jesus Cristo foi retratado como homossexual.

— O ato não foi motivado por qualquer razão eleitoral ou financeira, como resta evidente — disse Fauzi, que atribuiu a origem dos R$ 139 mil apreendidos pela polícia em um dos seus endereços ao trabalho de seu pai no comércio.

Fauzi tem uma passagem de volta comprada para o Brasil e marcada para o dia 29 de janeiro. Ele tem mulher e filho em Moscou e viajou para a capital russa três vezes ao longo do ano passado. O Ministério da Justiça aguarda uma solicitação do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) para encaminhar o pedido de extradição do brasileiro à Rússia. O juiz responsável pelo caso é Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal da Comarca do Rio.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Repórter negro e câmera da CNN são presos ao vivo enquanto cobriam protestos nos EUA

Primeiro-ministro de Israel oferece ajuda a Bolsonaro para lidar com o coronavírus

Mosquitos tigres-asiáticos que transmitem dengue e zika invadem Ibiza, na Espanha

Ratos de NY praticam canibalismo devido à escassez de lixo causada pela pandemia