Estados Unidos

Homem é preso por assassinato após perícia encontrar DNA dele em chiclete na cena do crime

Homem, de 60 anos, foi considerado culpado na semana passada por uma acusação de homicídio em primeiro grau.

DNA, Chiclete

Imagem ilustrativa (Foto: reprodução)

O DNA encontrado em um pedaço de chiclete descartado levou à prisão e condenação de um suspeito em um caso de assassinato arquivado de 1980 no Oregon, segundo os promotores.

Robert Plympton, 60 anos, foi considerado culpado na semana passada por uma acusação de homicídio em primeiro grau e quatro acusações de homicídio em segundo grau pelo assassinato da estudante Barbara Tucker, da Mt. Hood Community College, de acordo com um comunicado à imprensa da Promotoria Pública do Condado de Multnomah.

Tucker, de dezenove anos, foi “sequestrada, agredida sexualmente e espancada até a morte” em 15 de janeiro de 1980, afirma o comunicado. As acusações de estupro e abuso sexual contra Plympton foram retiradas, de acordo com um documento divulgado pela promotoria.

Plympton se declarou inocente, e seus advogados afirmam que pretendem recorrer de suas condenações. “Vamos recorrer e estamos confiantes de que suas condenações serão anuladas”, disseram os advogados Stephen Houze e Jacob Houze em um comunicado à CNN.

Ele permanece sob custódia no condado de Multnomah enquanto aguarda a sentença, informou o gabinete do promotor público. Sua audiência está marcada para junho.

Testemunhas ouviram gritos

Testemunhas viram uma mulher em aparente perigo na hora do assassinato, afirma o documento do escritório do promotor público. Uma mulher descreveu ter visto uma mulher “agitando os braços com o rosto ensanguentado”, enquanto outra disse que “viu um homem espreitando por entre os arbustos próximos ao estacionamento (da faculdade)”.

Um homem também disse que ouviu uma mulher gritando e viu dois vultos à distância, e uma quarta testemunha relatou ter visto uma mulher com lama nas calças, agitando os braços na beira da estrada.

O corpo de Tucker foi descoberto na manhã seguinte perto de um estacionamento por estudantes que estavam a caminho da aula na faculdade em Gresham, segundo o comunicado à imprensa da promotoria.

“Esses casos arquivados não estão perdidos ou esquecidos para o nosso departamento”, disse o então chefe de polícia Claudio Grandjean em um comunicado após a prisão de Plympton em junho de 2021.

“Cada um deles representa uma pessoa para nossos policiais, e suas histórias trágicas são passadas de geração em geração na esperança de um dia honrar seus nomes e trazer um senso de justiça e encerramento para seus casos”, acrescentou.

Os cotonetes coletados durante a autópsia de Tucker foram usados para criar um perfil de DNA do suspeito, conforme o comunicado à imprensa da promotoria.

A polícia pediu à empresa de tecnologia de DNA Parabon NanoLabs, sediada na Virgínia, para analisar o perfil e tentar identificar possíveis correspondências.

Uma “previsão de fenótipo instantâneo”, ou um teste para prever as características físicas de alguém com base em seu DNA, auxiliou os genealogistas genéticos a restringir possíveis suspeitos — algo que, segundo CeCe Moore, Genealogista Genética Chefe da Parabon, “acabou sendo fundamental nesse caso”.

Moore disse que, enquanto construía as árvores genealógicas das pessoas que compartilhavam o DNA com a amostra fornecida pela polícia, ela descobriu cartões de registro de recrutamento da Segunda Guerra Mundial de homens ruivos.

“Na época, esse caso era a previsão de cabelos ruivos mais confiável que os cientistas da Parabon já haviam tido”, disse Moore à CNN.

Ele explica que “portanto, havia uma probabilidade extremamente alta de que a pessoa que assassinou e estuprou Barbara tivesse cabelos ruivos”.

“Isso me ajudou porque me fez focar em uma linha específica da família e seguir os cabelos ruivos. E então fui parar no Oregon”.

Suspeito colocado sob vigilância

Em março de 2021, Moore conseguiu identificar Robert Plympton como o provável suspeito, disse ela.

Os investigadores usaram essa informação para começar a vigiar Plympton e conseguiram coletar um chiclete que os detetives testemunharam ele cuspir, disse o escritório do promotor.

O DNA retirado da goma de mascar correspondeu ao perfil dos esfregaços da autópsia e Plympton foi preso em 8 de junho de 2021.

“Fiquei totalmente surpresa. Foi incrível”, disse a irmã de Tucker, Susan Pater, à KATU, afiliada da CNN, em uma entrevista na época. “Foi uma notícia muito boa. Eu havia desistido”, disse Pater.

Moore chama o caso de “um dos destaques de minha carreira em genealogia genética”.

“Nunca vamos dar a alguém um final feliz. Tenho muita sorte de ter acabado em uma posição que me permite ajudar famílias e sobreviventes de crimes violentos. É incrivelmente significativo”, disse ela.

Fonte: CNN Brasil

COMPARTILHE

Bombando em Mundo

1

Mundo

BYD lança picape elétrica próximo mês e carro deve chegar ao Brasil ainda este ano

2

Mundo

Israel aumentou em 5% a compra de armas desde 2019; Irã fez maior compra de caças em 20 anos

3

Mundo

Descoberta em pirâmide revela colapso dramático da dinastia maia

4

Mundo

VÍDEO: Indonésia emite alerta de tsunami após erupção de vulcão

5

Mundo

Alagamentos em Dubai: ‘Semeadura de nuvens’ pode ser causa da pior chuva na história da cidade, diz agência