Guerra

Israel ignora decisão da Corte Internacional de Justiça e bombardeia Rafah, no sul de Gaza

Israel diz que alegações são 'falsas, ultrajantes e nojentas' e que a campanha militar 'não levou e não vai levar à destruição da população palestina civil em Rafah'.

Israel ignora decisão da Corte Internacional de Justiça e bombardeia Rafah, no sul de Gaza

Um dia após a Corte Internacional de Justiça determinar que Israel interrompa todas as operações militares em Rafah, no sul de Faixa de Gaza, o país desrespeitou a ordem e bombardeou a região. Câmeras flagraram fumaça preta em vários pontos da cidade.

A Corte é o tribunal mais alto da Organização das Nações Unidas (ONU) para julgar disputas entre Estados. Na sexta-feira (24), o órgão determinou não só o fim das operações em Rafah, mas também a permissão da entrada de ajuda humanitária.

São decisões que deveriam obrigatoriamente ser obedecidas, apesar de o tribunal não dispor de força policial para garantir o cumprimento delas.

O governo israelense disse que as justificativas apresentadas pelo órgão da ONU são “falsas, ultrajantes e nojentas” e que a campanha militar “não levou e não vai levar à destruição da população palestina civil em Rafah”.

Afirmou também e que continuará sua operação na cidade “respeitando o direito internacional”. Para o ministro israelense das Finanças, Bezalel Smotrich, a ordem de interromper os ataques é “uma demanda para que Israel não exista”.

A sentença da Corte foi proferida diante de um pedido de emergência apresentado pelo governo da África do Sul ao tribunal, sediado em Haia, na Holanda. O governo sul-africano acusa as forças israelenses de genocídio, o que Israel nega, alegando legítima defesa.

O líder da oposição de Israel, Yair Lapid, criticou a medida da CIJ, que chamou de um “colapso moral e um desastre moral” por não determinar também que o Hamas devolva todos os reféns.

O caso mais amplo da África do Sul na CIJ acusa Israel de orquestrar um genocídio liderado pelo Estado contra o povo palestiniano. A corte ainda não se pronunciou sobre o conteúdo dessa acusação, mas rejeitou a exigência de Israel de arquivar o caso.

Em decisões anteriores, o tribunal ordenou a Israel que evitasse atos de genocídio contra os palestinianos e permitisse o fluxo de ajuda para Gaza, ao mesmo tempo que não ordenava a suspensão das operações militares israelenses.

COMPARTILHE

Bombando em Mundo

1

Mundo

Ginasta é excluída da Olimpíada após beber em idade ilegal

2

Mundo

Nasa diz que Nordeste do Brasil pode ficar inabitável em 50 anos

3

Mundo

Nos EUA, home office está transformando escritórios vazios em novos apartamentos

4

Mundo

Apagão cibernético paralisou 8,5 milhões de dispositivos, revela Microsoft

5

Mundo

Especialista explica o que causou apagão cibernético, que afetou voos e bancos em todo mundo; entenda