Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Mundo

Editoria sobre Mundo ir para editoria →

Coronavírus

OMS alerta que pandemia continua acelerando no mundo e que efeitos serão sentidos 'por décadas'

A advertência do diretor da OMS acontece no momento em que vários países entram em uma fase de flexibilização do confinamento para reativar suas economias.

O Brasil tem mais de um milhão de casos de Covid-19 e a América do Sul é o atual epicentro da pandemia (Foto: Reprodução)

Por

A pandemia de Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus, "continua acelerando" no mundo, com um milhão de casos registrados em apenas oito dias, advertiu nesta segunda-feira (22) o diretor geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus.

"Sabemos que a pandemia é muito mais que uma crise de saúde, é uma crise econômica, social e, em muitos países, política. Seus efeitos serão sentidos durante décadas", afirmou Adhanom Ghebreyesus em uma conferência virtual organizada por Dubai.

A advertência do diretor da OMS acontece no momento em que vários países entram em uma fase de flexibilização do confinamento para reativar suas economias.
Na semana passada, o diretor da OMS chamou esta nova fase de "perigosa", ao destacar que apesar da necessidade de colocar um ponto final nas restrições, o vírus prosseguia com "propagação rápida" e continuava sendo "mortal".

"Foram necessários mais de três meses para alcançar o primeiro milhão de casos registrados. O último milhão de contágios aconteceu em apenas oito dias ", afirmou Tedros.

Futuras pandemias

O diretor da OMS também pediu aos governos que se preparem para futuras pandemias que podem acontecer "em qualquer país a qualquer momento e matar milhões de pessoas, porque não estamos preparados".

"Não sabemos onde nem quando acontecerá a próxima pandemia, mas sabemos que terá um impacto terrível sobre a vida e economia mundiais", advertiu Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Até o momento, a pandemia do novo coronavírus matou 468.724 pessoas em todo o mundo, de acordo com o levantamento da universidade americana Johns Hopkins às 9h45 desta segunda-feira. A Covid-19 foi detectada pela primeira vez em dezembro, na China.

Os países mais afetados são Estados Unidos (119.977 mortos), Brasil (50.951), Reino Unido (42.717), Itália (34.634) e França (29.643), também segundo dados da universidade americana Johns Hopkins às 9h45 desta segunda-feira.

O Brasil tem mais de um milhão de casos de Covid-19 e a América do Sul é o atual epicentro da pandemia, com 20 mil mortos no México, mais de 8 mil no Peru e mais de 1 mil na Argentina.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Forte explosão atinge área portuária de Beirute, capital do Líbano

Idosa americana de 102 anos que sobreviveu à gripe de 1918 e ao câncer vence a Covid-19

Autoridades da Argentina monitoram ao menos 6 nuvens de gafanhotos

Tripulação de navio é resgatada de ilha após escrever 'SOS' na areia