Tecnologia

Rolls-Royce cria microrreator nuclear para gerar energia na Lua

Menor e mais leve do que as outras fontes, o microrreator seria capaz de fornecer energia contínua suficiente para habitar e explorar uma superfície planetária, além de servir de propulsor para aeronaves.

Rolls-Royce cria microrreator nuclear para gerar energia na Lua

Microrreator foi desenvolvido pela Rolls-Royce — Foto:Divulgação

A Rolls-Royce divulgou na semana passada, durante a Conferência Espacial do Reino Unido, um modelo de microrreator nuclear que será usado pela agência espacial britânica para explorar a Lua.

O microrreator é o resultado de uma pesquisa encomendada pela Agência Espacial do Reino Unido para descobrir como a energia nuclear poderia ser usada em uma futura base lunar para astronautas. Segundo a Rolls-Royce, um reator pronto para ir à Lua poderia ser fabricado já em 2030.

“A tecnologia de microrreatores proporcionará a capacidade de apoiar casos de uso comercial e de defesa, além de fornecer uma solução para descarbonizar a indústria e fornecer energia limpa, segura e confiável”, afirmou Abi Clayton, Diretor de Programas Futuros da Rolls-Royce.

Menor e mais leve do que as outras fontes, o microrreator seria capaz de fornecer energia contínua suficiente para habitar e explorar uma superfície planetária, além de poder ser usado como propulsão para espaçonaves.

Ele também tem a vantagem de ser uma fonte que não depende da localização, da incidência de luz ou de outros fatores ambientais para funcionar.

A Rolls-Royce recebeu um total de 3,9 milhões de libras da Agência Espacial do Reino Unido para o projeto, que faz parte do programa Moonlight da Agência Espacial Europeia, cujo objetivo é lançar uma série de satélites em órbita ao redor da Lua.

No total, a agência britânica anunciou 51 milhões de libras para empresas de todo o Reino Unido que estejam dispostas a desenvolver tecnologias de comunicação e navegação para essas missões à Lua.

Mistério das crateras da Lua

Um estudante de doutorado da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, liderou um estudo que rastreou a origem de duas crateras misteriosas na Lua e descobriu que elas foram causadas por lixo espacial chinês.

Em um artigo publicado no Planetary Science Journal, o grupo de Tanner Campbell expôs provas de que os buracos foram causados por um propulsor de um foguete espacial da China que teria vagado por anos no espaço.

A equipe usou o Telescópio Raptor para analisar os sinais de luz refletidos pela superfície do objeto e concluir que ele não era um Falcon 9, da SpaceX, mas sim um propulsor de um Chang’e 5-TI.

O foguete foi lançado em 2014 como parte do programa de exploração lunar da agência espacial da China e tinha a missão de trazer uma amostra do solo da Lua para a Terra.

Na época, os chineses afirmaram que ele havia sido destruído ao entrar de volta na atmosfera da Terra, o que foi desmentido pelo Comando Espacial dos Estados Unidos.

COMPARTILHE

Bombando em Mundo

1

Mundo

Lula participa de cúpulas regionais na Guiana e em ilha do Caribe

2

Mundo

Governo do RN oferece até R$ 30 mil por informações sobre fugitivos de presídio federal

3

Mundo

O lago que reapareceu no Vale da Morte, um dos lugares mais secos da Terra

4

Mundo

VÍDEO: guerra na Ucrânia completa dois anos; entenda como essa história envolve o mundo todo

5

Mundo

Alemanha aprova projeto que legaliza uso recreativo da maconha