Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Paraíba

Editoria sobre Paraíba ir para editoria →

Em João Pessoa

Após morte de estudante e acusação contra seguranças, UFPB cria comissão para acompanhar investigação

A comissão da UFPB será formada por representantes dos três segmentos que compõem a comunidade universitária: estudantes, professores e técnico-administrativos.

Clayton Tomaz desapareceu no dia 6 de fevereiro. O corpo foi encontrado na segunda-feira (17), às margens de uma estrada em Gramame, na Zona Sul de João Pessoa. (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

Por

O Conselho Universitário (Consuni) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) criou, por maioria de votos, comissão para acompanhar a investigação da morte do estudante de Filosofia, Clayton Tomaz de Souza, de 31 anos. A decisão foi tomada em reunião na manhã desta quarta-feira (19).

Clayton Tomaz desapareceu no dia 6 de fevereiro. O corpo foi encontrado na segunda-feira (17), às margens de uma estrada em Gramame, na Zona Sul de João Pessoa. Vídeos em que o aluno destaca o que considera a hostilidade dos vigilantes da UFPB contra ele viralizaram nas redes sociais após sua morte.

A comissão da UFPB que acompanhará o caso será formada por representantes dos três segmentos que compõem a comunidade universitária: estudantes, professores e técnico-administrativos.

A reitoria Margareth Diniz afirmou que a instituição fornecerá todas as informações solicitadas para a elucidação do caso.

Saiba mais

Polícia investiga suposta participação da guarda da UFPB em assassinato de estudante

Reitoria da UFPB é depredada, tem bebedouros danificados e paredes pichadas

Luiza Erundina comenta na tribuna da Câmara caso de estudante da UFPB assassinado

O Consuni e o Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) da UFPB emitiram voto de pêsames pela morte de Clayton Tomaz.

Veja na íntegra abaixo

Conselho Universitário (Consuni)

O Conselho Universitário (Consuni) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em reunião ordinária, no dia 19/02/2020, decidiu, por unanimidade, aprovar moção de apoio e voto de pêsames aos familiares do estudante do curso de Filosofia, do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA), Clayton Tomaz Souza, barbaramente assassinado.

Os conselheiros do Consuni entendem que a perda de uma vida em qualquer circunstância, mais ainda quando prematuramente, é sempre motivo para lamentar profundamente e nos obriga a refletir sobre os efeitos da violência sobre a sociedade, lamentavelmente tão presente na nossa contemporaneidade.

Por isso, nessa hora trágica, o sentimento do Consuni é de estarrecimento com esse fato grotesco e a incondicional solidariedade a todos os familiares e demais pessoas que conviveram e privaram da amizade do nosso estudante.

Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe)

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), na reunião extraordinária realizada no dia 18 de fevereiro, aprovou, por unanimidade, voto de pesar a ser apresentado ao Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UFPB, em razão do assassinato do discente Clayton Tomaz de Souza, oriundo do curso de Filosofia - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA).

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Após decisão judicial, circulação de trens na Grande João Pessoa é suspensa até 14 de junho

Cagepa interrompe abastecimento de água em três bairros de João Pessoa nesta terça-feira

Barreiras sanitárias são retomadas no trânsito de João Pessoa em prevenção à covid-19 e sanções só serão aplicadas a partir da próxima quarta-feira

Ministérios Públicos recomendam protocolo para proteger mães e recém-nascidos da pandemia do covid-19 em maternidades da Paraíba