Irregularidades

Após nova denúncia, TCE vê fraude em contratação de banca do concurso de Conde por R$ 290 mil e quer suspensão do processo

Ficou verificado pela auditoria do TCE-PB que a empresa Consulpam Consultoria, contratada por R$ 290 mil, não preencheria os requisitos para uma dispensa de licitação.

Após nova denúncia, TCE vê fraude em contratação de banca do concurso de Conde por R$ 290 mil e quer suspensão do processo

"Eita, gota serena. Eu preferia que não tivesse festa, nem rodízio de banda. Vinha agora, o carro caiu dentro de um buraco, por que aqui em Jacumã tem buraco, viu, prefeita, pelo amor de Deus, buraco e escuridão", denunciou como acompanhou o ClickPB.

Depois de constatar uma série de irregularidades no concurso público da Prefeitura de Conde, os auditores do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB) também verificaram – em uma segunda denúncia – que há indícios de fraude no processo de contratação para a escolha da banca organizadora do certame. Conforme apurou o ClickPB, diante dos fatos denunciados e vistos como procedentes pela auditoria, a recomendação é para suspender o contrato e, portanto, do concurso.

Ficou verificado pela auditoria do TCE-PB, como visto pelo ClickPB, que a empresa Consulpam Consultoria, contratada por R$ 290 mil, não preencheria os requisitos para uma dispensa de licitação, pois enfrentaria diversas denúncias e processos judiciais no Estado do Ceará, e que o Ministério Público de Pernambuco solicitou a suspensão de concurso por ela realizado.

Como verificado pelo ClickPB, os auditores classificaram como graves as denúncias feitas. “Uma simples consulta na internet já seria suficiente para o necessário acautelamento, por parte da atual gestora do Conde/PB [Karla Pimentel], do chamamento dos participantes deste processo dispensa de licitação, reitere-se ter sido de sua livre escolha. Livre decisão da atual gestora do Conde/PB que não encontra maiores explicações na generalidade das expressões “entidade muito bem conceituada” e “ótima qualidade e preços dos seus produtos”, as quais não permitem concluir quais teriam sido os critérios objetivamente utilizados para se chegar a essa conclusão”, informa parte do relatório da auditoria.

O principal fato apontado pelos auditores para verificar os indícios de fraude é que as informações obtidas nos sistemas do TCE-PB apontam para fragilidades no confronto de preços. A fiscalização constatou que durante a contratação ficou estabelecida a abertura de conta bancária em nome da Prefeitura de Conde, com fins de controle de recebimento das taxas de inscrição. Significa que o dinheiro das inscrições iriam para a gestão, que somente repassaria a quantia de R$ 290 mil a banca organizadora sem apresentar nenhum critério para isso.

“As demais organizadoras de concursos, pinçadas em um jogo de números utilizado apenas para, estatisticamente, querer se demonstrar que a escolhida Consulpam estaria “dentro” da realidade de mercado, estranhamente, não foram consultadas diretamente. Diga-se que uma delas é associada à Universidade Estadual da Paraíba – UEPB, sequer formalmente consultada!”, admiram-se os auditores.

COMPARTILHE

Bombando em Paraíba

1

Paraíba

Justiça da Argentina liberta Fabrícia Farias mas a proíbe de sair do país até julgamento de extradição; confira documento

2

Paraíba

Tribunal de Justiça da Paraíba mantém condenação ao Bradesco para indenizar consumidor que teve nome negativado

3

Paraíba

URGENTE: Fabrícia Farias, dona da Braiscompany, é solta por decisão da Justiça da Argentina, diz defesa

4

Paraíba

Borboletas amarelas invadem João Pessoa e especialista comenta fenômeno: “época de reprodução”

5

Paraíba

Operação Lei Seca autua 183 condutores por embriaguez no mês de fevereiro na Paraíba