Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Paraíba

Editoria sobre Paraíba ir para editoria →

Condenação

Banco Santander é condenado a indenizar cliente que foi feito refém durante assalto a agência na Paraíba

A Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba negou provimento interposta pelo banco, que foi condenado pelo Juízo da 4ª Vara Cível da Comarca de Campina Grande .

O banco Santander foi condenado a pagar indenização (Foto: Reprodução)

Por

O Banco Santander foi condenador a pagar a quantia de R$ 10 mil, por danos morais, em favor de um cliente que foi feito refém durante um assalto realizado em uma das agências da instituição. A Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba negou provimento interposta pelo banco, que foi condenado pelo Juízo da 4ª Vara Cível da Comarca de Campina Grande .

A relatoria do processo foi do desembargador Luiz Silvio Ramalho Júnior.

O Banco sustenta que não há como lhe atribuir a responsabilidade pelo dever de indenizar ou restituir, já que adotou todas as medidas de segurança cabíveis ao caso, e, ainda, que o suposto assalto não tinha como ser evitado, tendo em vista a impossibilidade de evitar ou inibir ações de terceiros, configurando-se flagrante caso fortuito ou de força maior. Afirmou, assim, a ocorrência de causa excludente de responsabilidade, uma vez que, como dito, não houve defeito na prestação de serviço do requerido.

Para o relator do processo, é inquestionável a responsabilidade objetiva do Banco, que tem o dever de segurança em relação aos clientes e ao público em geral. "Não houve demonstração de quaisquer das excludentes de responsabilidade, uma vez que os assaltos às instituições bancárias são presumíveis, sobretudo diante da natureza da atividade desenvolvida, razão pela qual deve o Banco zelar pela segurança de todos", frisou.

O desembargador Ramalho Júnior observou que a má prestação do serviço, caracterizada pela falta de segurança que ocasionou todo o abalo psicológico sofrido pelo autor, configura ato ilícito indenizável a título de danos morais, cujo montante estabelecido, no importe de R$ 10 mil, não transcende os limites da razoabilidade. "A manutenção da sentença é medida que se impõe", pontuou.

Da decisão cabe recurso.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o Portal ClickPB não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2020 se encerrarem.

Destaque

ir para editoria →

Divulgação do resultado do segundo turno não terá problemas como ocorrido no primeiro turno das eleições, diz presidente do TRE-PB

Confira os horários e locais de votação dos candidatos que disputam o segundo turno em João Pessoa

Colunista da revista ISTOÉ aponta vitória de Cícero Lucena e prevê volta da direita tradicional no segundo turno das eleições

Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba realiza sorteio de seis urnas que serão auditadas neste domingo