Dano coletivo

Braiscompany vira alvo de investigação do Ministério Público da Paraíba e responsáveis pela empresa faltam a audiência

O caso poderá dar origem a uma ação civil pública para garantir o direitos dos consumidores lesados.

Braiscompany​ vira alvo de investigação do Ministério Público da Paraíba e responsáveis pela empresa faltam a audiência

o O empresário Antônio Neto Ais, CEO da Braiscompany, admitiu que a empresa enfrentava problemas — Foto:Reprodução

O promotor de Justiça de Campina Grande e diretor-regional do MP-Procon, Sócrates da Costa Agra, está apurando denúncias de alguns investidores que não estariam recebendo as remunerações acordadas em contratos com a empresa Braiscompany.  O procedimento foi instaurado no último dia 26, tendo o representante do Ministério Público da Paraíba tomando as providências extrajudiciais com vistas à conciliação, inclusive, com a designação de audiência na última quinta-feira (2), à qual a Braiscompany não compareceu. 

De acordo com Sócrates Agra, a empresa prestou uma defesa evasiva e que, diante disso, o Ministério Público dará seguimento à apuração dos fatos denunciados e que, entendendo necessário, poderá acionar a Justiça, por meio de ação civil pública, para garantir o direitos dos consumidores lesados, como também a reparação do dano coletivo que porventura tenha sido causado.

 Em dezembro, o empresário Antônio Neto Ais, CEO da Braiscompany, admitiu que a empresa enfrentava problemas para pagar o repasse referente aos investimentos que ali foram aplicados. 
Vários investidores acusaram a companhia de atrasar pagamentos. Um ex-cliente da firma chegou a criar a Associação de Vítimas da Braiscompany (AVB) para apoiar as pessoas que não conseguem reaver o dinheiro. 

Parte dos clientes da Braiscompany já está há mais de dois meses sem receber o pagamento dos rendimentos que a empresa diz obter com a “locação de criptoativos”, esquema acusado de ser pirâmide financeira por Tiago Reis, o CEO da Suno Research. 

No mês passado, a empresa alegou que os atrasos eram culpa de problemas com o desenvolvimento de um aplicativo do negócio. Logo depois afirmou que a culpa era da Binance, corretora da qual a Braiscompany diz que depende 100% para operar e fazer pagamentos dos clientes.

COMPARTILHE

Bombando em Paraíba

1

Paraíba

Volta ao trabalho presencial faz aluguel comercial registrar maior valorização desde 2013 em João Pessoa

2

Paraíba

Eleições 2024: TCE da Paraíba vai divulgar nova lista com gestores ‘ficha suja’, após contestações

3

Paraíba

Novas pesquisas de intenções de voto para Prefeitura de João Pessoa são registradas no TRE; saiba quando devem ser divulgadas

4

Paraíba

ALERTA: João Pessoa e outras 34 cidades da Paraíba podem ter chuvas intensas e ventos fortes nas próximas horas

5

Paraíba

João Azevêdo autoriza convocação dos concursados da Polícia Militar excluídos com decisão do STF