Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Paraíba

Editoria sobre Paraíba ir para editoria →

Aplicação

Bruno Cunha Lima afirma que vacinação contra Covid-19 em adolescentes sem comorbidades será retomada, em Campina Grande, após liberação do Ministério da Saúde

A aplicação das vacinas para os jovens dos 12 aos 17 anos foi interrompida, em todo o Brasil, por determinação do MS e em atendimento à recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Bruno Cunha Lima garante vacinação contra Covid-19 em adolescentes sem comorbidades (Foto: Reprodução)

Por

O prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima, afirmou no início da noite desta segunda-feira (20), que a vacinação contra Covid-19, para adolescentes sem comorbidades, será retomada imediatamente após a liberação do Ministério da Saúde. A informação foi dada durante entrevista, por telefone, ao programa Balanço Geral, da Correio 98 FM.

A aplicação das vacinas para os jovens dos 12 aos 17 anos foi interrompida, em todo o Brasil, por determinação do MS e em atendimento à recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“É o Ministério da Saúde quem define o Plano Nacional de Imunização. Os estados se encarregam da distribuição e, aos municípios, cebe apenas a aplicação das doses”, explicou.

Na entrevista, Bruno Cunha Lima também falou sobre a polêmica relacionada à exigência de cartão de vacinação, com o carimbo das duas doses, por parte de estabelecimentos comerciais, ginásios esportivos, estádios de futebol e casas de eventos. De acordo com o prefeito, essa não é uma competência do poder público, cabendo aos entes privados decidirem se vale a pena, ou não, optar por essa exigência.

“Esse é um debate que trata sobre os limites do poder público. A gente precisa entender que a individualidade das pessoas precisa ser respeitada. O artigo 5o da Constituição Federal diz que ninguém é obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa, se não em virtude de lei. Eu, agora, não posso simplesmente exigir que, para ir a um estádio de futebol, o cidadão apresente um cartão de vacina”, disse Bruno, lembrando que, embora considere a vacinação importante e incentive as pessoas a se vacinarem, sabe que elas não são obrigadas a fazê-lo.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Cabedelo libera mais de R$ 115 mil em crédito para MEIs

Tribunal de Justiça da Paraíba começa a receber custas judiciais através do PIX a partir de novembro

Hospital Municipal do Valentina, em João Pessoa, realiza 47 mil atendimentos em nove meses

Reforço das rondas da Guarda Civil Metropolitana resulta na prisão de suspeito de furtos em cemitério de João Pessoa