Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Paraíba

Editoria sobre Paraíba ir para editoria →

Colabora

Campanha de Natal 'Adote um Idoso' arrecada doações para instituições na PB

Nesta época de natal, muitas pessoas aderem à campanha “Papai Noel dos Correios”, se disponibilizando a ajudar crianças, prioritariamente, mas esquecem dos idosos, que muitas vezes precisam só de carinho, de um abraço ou atenção.

Mais informações na Promotoria da Cidadania e Direitos Fundamentais de João Pessoa, na Rua Rodrigues Chaves, 65, Centro, João Pessoa. Tel: 2107-6107. (Foto: reprodução)

Por

A Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania e dos Direitos Fundamentais de João Pessoa iniciou a campanha “Adote um idoso” com o objetivo de incentivar as pessoas a ajudar uma pessoa idosa que esteja em instituições de longa permanência. A promotora de Justiça Sônia Maria de Paula Maia lembra que, nesta época de natal, muitas pessoas aderem à campanha “Papai Noel dos Correios”, se disponibilizando a ajudar crianças, prioritariamente, mas esquecem dos idosos, que muitas vezes precisam só de carinho, de um abraço ou atenção.

Segundo ela, muitos desses idosos estão institucionalizados porque foram deixados, por abandono da família, ou como medida de proteção, aplicada administrativamente pelo Ministério Público ou judicialmente por viverem sozinhos ou não terem condições de gerir sua própria pessoa e prover a própria subsistência.

A promotora ressalta que os idosos que estão aptos à adoção pelos padrinhos e madrinhas podem ser encontrados nos abrigos nas Instituições de Longa Permanência para Idosos, nas entidades filantrópicas de João Pessoa (Lar da Providência, Casa da Divina Misericórdia, Nosso Lar, Aspan – Associação Promocional do Ancião e Vila Vicentina).

Para a promotora, além das crianças, existem idosos em situação de vulnerabilidade e que não conseguem escrever cartas. “Com certeza, os idosos que encontram-se em situação de risco e vulnerabilidade pessoal e social, não terão condições de escrever suas cartinhas, para pedir aos eventuais padrinhos e madrinhas, um pouco de carinho, de atenção, um gesto de afeto, um medicamento, um abrigo, um cobertor, um colchão, uma vestimenta, mesmo que usada, um alimento, até mesmo um pedaço de pão e um copo de café. Basta serem guiados pelo senso humanitário e pela certeza de que todos nós somos filhos de Deus”, explica.

Ainda de acordo com a promotora, as pessoas idosas estão bem próximas dos cidadãos. “Basta querermos alcançá-los. Eles estão nas vias públicas, nos semáforos, em situação de rua, sem teto, sem agasalhos, sem cidadania. Estão em suas residências paupérrimas, insalubres, nas periferias, nas comunidades, onde sequer o coletivo faz itinerário; eles moram em locais inóspitos, onde o carteiro não entrega correspondências, porque seus moradores são invisíveis, as ruas não tem nome e o caminhão de coleta de resíduos também não trafega, porque que não tem acessibilidade. Eles estão à espera da assistência médica, morrendo dia a dia, aguardando a regulação de leitos para internação hospitalar; estão nos leitos dos hospitais do SUS (Sistema Único de Saúde), aguardando procedimentos cirúrgicos e ambulatoriais que lhe são vitais; estão na fila de espera, e quando a providência não chega a tempo, seus corpos vão para o SVO – Serviço de Verificação de Óbitos, IML – Instituto de Medicina Legal e, na condição de cadáveres, sem identidade civil nem família, seus restos mortais são despojados em urnas comunitárias”, comenta a promotora.

A promotora relembra ainda que muitos idosos encontram-se em situação de abandono familiar. “Atordoados, negligenciados, oprimidos e explorados financeiramente por aqueles que tem o dever moral e legal de prestar-lhes a devida assistência e proteção (cônjuges, filhos, netos, etc)”, declara.

“Para adotar um velhinho ou uma velhinha, não é preciso esperar pelas festas natalinas. É um ato de amor e deve ser exercido de forma espontânea, sem espera de reconhecimento, de agradecimentos, nem honrarias”, conclui.

Mais informações na Promotoria da Cidadania e Direitos Fundamentais de João Pessoa, na Rua Rodrigues Chaves, 65, Centro, João Pessoa. Tel: 2107-6107.

Instituições

1- Aspan (Associação Promocional do Ancião Dr. João Meira de Menezes) - R. Antônio Correa de Matos, 55 - Cristo Redentor, João Pessoa.

2- Vila Vicentina Júlia Freire - Endereço: R. Etelvina Macedo de Mendonça, 327 - Torre, João Pessoa.

3- Lar da Providência Carneiro da Cunha - Endereço: Av. Santa Catarina, 5 - Estados, João Pessoa.

4- Casa da Divina Misericórdia – Endereço: Rua Zélia Medeiros de Araújo, 127 – Bancários, João Pessoa.

5- Instituição Espírita Nosso Lar - Endereço: Praça Abdon Milanez, 115 - Castelo Branco, João Pessoa.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Criador paraibano do aplicativo "Monitora Covid-19", Fábio Guimarães morre por coronavírus

Eliza diz que Chico César ofendeu às religiões e quer que ele peça desculpas: "tem que rasgar essa música tenebrosa”

Empresa doa 48 mil sabonetes para combate a covid-19 na Paraíba

Em reunião com representantes do Ministério do Turismo, João Azevêdo apresenta projeto do Polo Turístico Cabo Branco