Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Paraíba

Editoria sobre Paraíba ir para editoria →

Um ano

Com a morte de Gabriel Diniz, família passou a acreditar na vida após morte, diz pai

Na véspera de completar um ano da morte do cantor, Cizinato Diniz relembra o dia do acidente, diz que por muito tempo parecia que o filho estava apenas viajando e conta que a mulher, Ana Maria, evita assistir aos vídeos de Gabriel.

Os objetos pessoais de Gabriel continuam guardados pela família em casa e no escritório. "O quarto ficou montado do jeito que estava", diz Cizinato. (Foto: reprodução)

Por

O relógio marcava pouco mais de meio dia em 27 de maio de 2019 quando Cizinato Diniz, pai do cantor Gabriel Diniz, recebeu uma mensagem no WhastApp que mudaria sua vida. Ele estava em uma praia a 40 minutos de Maceió (Alagoas) para comemorar o aniversário da nora, Karoline Calheiros, quando um dos músicos que trabalhavam com o filho o procurou. "Ele nunca tinha falado comigo. Nesse dia falou pela primeira vez, me perguntou se estava 'tudo bem' com o o Gabriel", lembra o empresário. "Me mostrou fotos que estavam aparecendo na TV do passaporte do Gabriel. Neste momento, percebi que tinha acontecido alguma coisa grave", conta ele.

O monomotor que levava o cantor ao encontro da família e da namorada caiu horas antes em Estância, no sul de Sergipe, causando a morte do artista, do piloto Abraão Farias e do copiloto Linaldo Xavier Rodrigues. "Voltamos para o apartamento da Karol. Mas a ficha que ele tinha morrido só caiu umas 16h. Uma pessoa me mandou a foto do Gabriel na margem do rio, foi muito forte ver essa imagem", lamenta. "O pior dia da minha vida. Não senti nada igual até hoje".

À véspera de completar um ano da morte do filho, que se tornou fenômeno com a música Jenifer, Cizinato conversou com Marie Claire e contou como tem sido a vida desde então. Ana Maria Diniz, mãe do cantor, ainda prefere não ver as homenagens feitas ao filho. "Ela não consegue ver vídeos, áudios, não assistiu à live que fizemos pra ele. Ela evita, é muito emotiva. Se começa a chorar, demora pra parar", diz ele. Leia a entrevista completa abaixo:

Um ano

O primeiro aniversário de morte do cantor os pais passarão recolhidos em casa, em João Pessoa, Paraíba. "Agora é ainda mais complicado, temos a certeza que o Gabriel morreu. Sempre tinha a ideia que ele estava viajando. Não que a gente se iludia, mas fica mais claro que realmente é fato e isso entristece a gente", desabafa. 

"Nos três primeiros meses eu fiquei meio desligado, sendo muito racional, e minha mulher o contrário. Passado esse período algumas coisas se afloraram mais pra mim. Minha esposa sempre foi emotiva, ela tinha uma ligação muito forte com ele", lembra Cizinato. "Passei o ano todo dando suporte a ela. Mas no final das contas sentindo cada vez mais a falta e a admiração aumenta porque ele era extraordinário", derrete-se o pai.

Os objetos pessoais de Gabriel continuam guardados pela família em casa e no escritório. "O quarto ficou montado do jeito que estava", diz Cizinato.

No dia do acidente, as joias que o cantor carregava consigo desapareceram. Até hoje nada foi recuperado. "Tinha um crucifixo que eu dei pra ele e tinha alguns anéis, joias bacanas que era o estilo dele", diz o empresário.

Os pais do cantor mantêm até hoje uma relação próxima com Karoline, com quem Gabriel fazia planos de casamento. Passado o 27 de maio, dia do aniversário da psicóloga, ela irá a Paraíba visitar os ex-sogros. "Ela vem passar uma semana aqui. É uma filha querida pra gente", afirma ele.


Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o Portal ClickPB não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2020 se encerrarem.

Destaque

ir para editoria →

Pacientes passarão a usar pulseiras de identificação no hospital Metropolitano com cores diferentes para cada patologia

Sequência de alta do petróleo deixa gasolina mais cara e consumidor sente o peso no bolso com o litro a mais de R$ 4,30 em João Pessoa

Tribunal de Justiça da Paraíba conquista Selo Prata de Qualidade pelo Conselho Nacional de Justiça

'EXCLUSIVO' Reflexos da eleição: desembargador e juiz do TRE-PB testam positivo para covid-19