Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Paraíba

Editoria sobre Paraíba ir para editoria →

Paraíba

CRM decide interditar Trauminha de Mangabeira após fiscalizações identificarem baratas, consumo de drogas, falta de remédios e sexo na enfermaria

Portas destruídas de banheiros e enfermarias, condições insalubres de higiene, infestação de baratas e outros insetos.

"A grande maioria dos médicos trabalham com contratos precários, sem nenhum vínculo de concursados", explicou. (Foto: Reprodução)

Por

O Conselho de Medicina da Paraíba decidiu interditar os profissionais médicos trabalhando no Hospital de Trauma de Mangabeira, o Trauminha, devido a irregularidades não solucionadas após dez fiscalizações do órgão. 

Em transmissão ao vivo realizada nesta sexta-feira (28), o presidente do CRM-PB, Roberto Magliano de Morais, apresentou as razões da decisão de interdição. Assista abaixo.


Confira abaixo a lista das principais inconformidades identificadas no hospital pela inspeção da CRM-PB:

  • Escala médica incompleta, especificamente nos sábados e domingos, tendo apenas um médico para atender sozinho as salas vermelha e verde, além da urgência
  • Falta de medicamentos (Antibióticos, Anti-inflamatórios, Anticoagulantes)
  • Falta de material cirúrgico (Telas, órteses, próteses, gazes, luvas, drenos, campo cirúrgicos, roupas, fios cirúrgicos)
  • Quantidade insuficiente de equipamentos para atender a demanda (capnógrafos, monitores e respiradores)
  • Ambiente inseguro (relatos de agressão e de consumo de substâncias ilícitas no interior da unidade)
  • Consultório médico sem maca para examinar paciente
  • Pacientes com cirurgia infectada na mesma enfermaria de pacientes com cirurgia limpa
  • Mais de sete dias para a realização de cirurgias
  • Leitos sem lençóis
  • Falta de higiene nos quartos e banheiros, com mofo e presença de insetos
  • Estrutura física das enfermarias em péssimas condições, com banheiros necessitando de reparos
  • Iluminação insuficiente nas enfermarias para a realização de procedimentos técnicos
  • Falta de privacidade (Apesar das enfermarias estarem separadas por sexo, os acompanhantes são, na grande maioria, do sexo oposto)
  • Cadeiras de rodas para transporte dos pacientes com defeitos
  • Enfermarias sem ventilação, sendo utilizado grande números de ventiladores levados pelos acompanhantes
  • Leitos com defeitos (camas sem elevação de cabeceiras)

"Em quatro anos fizemos 10 fiscalizações. As irregularidades não foram sanadas, ele continua em péssimas condições, diria até que piorou muito, e a razão para interditar é justamente essa. Essas irregularidades tem um potencial de risco alto para os médicos e para quem procura o serviço."

Leia mais:         

"A grande maioria dos médicos trabalham com contratos precários, sem nenhum vínculo de concursados", explicou.

Também foi listada a insuficiência de médicos para atender os pacientes, e a falta de remédios, gaze, esparadrapo, antibióticos, analgésicos e outros insumos. Muitos pacientes estariam levando insumos próprios para ser atendidos no hospital.

As fiscalizações identificaram relatos de agressões, uso de drogas e sexo ocorrido na unidade, sem controle de fluxo de quem entra e sai.


Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Detentos de unidade prisional em Sousa terão acesso a cursos e ferramentas para educação básica com instalação de computadores

Senadora Daniella Ribeiro pede audiência com presidente do Banco do Brasil para impedir o fechamento de agências na Paraíba

Ministério Público Federal recebe 18 denúncias de fura filas em cinco cidades paraibanas

Ouvidoria do Ministério Público da Paraíba recebeu, em sete dias, 33 denúncias de fura filas na vacinação contra covid-19