Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Paraíba

Editoria sobre Paraíba ir para editoria →

Periculosidade

Dez policiais militares irão a Júri por homicídios e ocultação de cadáveres em Santa Rita

O caso aconteceu em 2009 durante uma revista com passageiros que estavam em um ônibus na cidade de Santa Rita.

Ainda na denúncia, o representante do Ministério Público disse que os réus são dotados de insensibilidade moral e intensa periculosidade na prática do delito. (Foto: reprodução)

Por

Dez policiais militares denunciados pelas mortes e ocultação dos cadáveres das vítimas Givaldo José Bezerra, conhecido como “Júnior de Sapé” e Alex Oliveira Freitas, o “Peu” irão a julgamento no próximo dia 26 no 2º Tribunal do Júri da Comarca de João Pessoa, no 5º Andar do Fórum Criminal. 

Segundo os autos, no dia 6 de agosto de 2009, por volta das 18h, os policiais militares sob o comando do capitão Josivaldo Cunha Lima (oitavo denunciado), desceram das viaturas e determinaram que um ônibus, que passava nas proximidades da Fábrica Valtex e do Fórum de Santa Rita, parasse. Em seguida, ordenou que todos os passageiros descessem do coletivo e deram início a uma revista. Depois, todos ocupantes do ônibus retornaram aos seus lugares, exceto as vítimas, que ficaram em poder dos militares, sendo ambas conduzidas para um matagal que fica por trás do Fórum, onde foram espancadas e torturadas até a morte. Para evitar possíveis indícios das práticas criminosa, os réus teriam ocultado os cadáveres.

Ainda na denúncia, o representante do Ministério Público disse que os réus são dotados de insensibilidade moral e intensa periculosidade na prática do delito em tela, resultando no pensamento de que, uma vez soltos, poderão interferir na produção de provas por meio de ameaças, intimidações, destruição de documentos e alterações de provas.

Foram denunciados pelo Ministério Público os réus Edmilson Andrade de Oliveira, Agápito Rodrigues dos Santos Neto, Francisco de Assis Ferreira de Araújo, Kleber dos Santos Farias, Antônio Severino da Silva, Ednaldo José Monteiro de Andrade, Wallas Adelino da Silva, Josinaldo Cunha Lima, Roberto Heráclio do Rego Júnior e Fábio Gomes da Silva. 

Os crimes aconteceram na Comarca de Santa Rita, mas devido ao deferimento no pedido de desaforamento, o Júri acontecerá na Capital. A sessão que terá início às 9h será presidida pela juíza substituta da unidade judiciária, Higyna Josita. 

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Parque do Jacaré, em Cabedelo, já está liberado para passeio de catamarã e Pôr do Sol, mas prefeitura limita número de visitantes

Inmet alerta para baixa umidade relativa do ar em 85 municípios paraibanos até o próximo domingo

Restaurante do Servidor reabre na segunda-feira apenas para almoço e com capacidade para 30% de ocupação

Patrulha Maria da Penha acompanha 330 mulheres vítimas de violência doméstica na Paraíba; rondas foram ampliadas para 24 horas