Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Paraíba

Editoria sobre Paraíba ir para editoria →

Graziela Queiroga

Dificuldade para pedir ajuda atrapalha combate à violência doméstica na Paraíba durante quarentena, revela juíza

A juíza também destacou a importância das mulheres terem uma rede de apoio através de amigas, vizinhos e familiares e que só com esse empoderamento ela quebrará esse ciclo machista.

Juíza e coordenadora da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), Graziela Queiroga. (Foto: Reprodução)

Por

A dificuldade que as mulheres têm para pedir ajuda acabam atrapalhando o combate à violência doméstica na Paraíba durante o isolamento social provocado pela pandemia do coronavírus. A juíza Graziela Queiroga, coordenadora da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), concedeu entrevista nesta terça-feira (28) ao portal ClickPB, onde falou um pouco do trabalho que está sendo realizado nesta quarentena.

Ela relata que a cultura machista e o isolamento social fez crescer os números da violência doméstica e apesar dos registros no Estado ter mostrado diminuição, a Rede de Proteção das Mulheres têm se preocupado e criado ainda mais canais para que as vítimas possam denunciar os agressores.

Além dos números 180, 190 e 197 que podem ser utilizados para pedir socorro, o Tribunal de Justiça em parceria com o Governo do Estado disponibilizou que a prorrogação de Medidas Protetivas sejam feitas pela internet ou telefone com canais remotos para as mulheres renovarem essas medidas em casos de violência.

Outra iniciativa é o Boletim de Ocorrência Online, que pode ser acessado por qualquer pessoa pelo www.delegaciaonline.pb.gov.br. Através desse endereço, a mulher pode denunciar casos como as cybers violências, que são tipos de violência praticadas contra alguém através da internet (mídias sociais) ou de outras tecnologias relacionadas. Um dos crimes mais denunciados é a pornografia de vingança, que trata do compartilhamento de fotos e/ou vídeos íntimos pela internet, sem autorização da vítima, com o propósito de causar humilhação, consequentemente a violência psicológica e moral.

A juíza também destacou a importância das mulheres terem uma rede de apoio através de amigas, vizinhos e familiares e que só com esse empoderamento ela quebrará esse ciclo machista que fomenta a violência doméstica. "Busquem ajuda, não fiquem calada", resumiu.

A entrevista completa com a juíza pode ser conferida no instagram.com/portalclickpb, a área dos Stories/Ao vivo.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Paraíba registra um óbito, 66 novos casos e 26% de ocupação de leitos Covid-19

Sessenta crianças do município de Lucena tomaram vacina contra Covid-19 para adultos, diz Geraldo Medeiros

Crianças imunizadas indevidamente em Lucena serão avaliadas e revacinadas no período de 30 dias, diz secretário de Saúde da Paraíba

Passageiros protestam contra cancelamento de voos e falta de funcionários da empresa Azul no Aeroporto Castro Pinto, na Paraíba