Crime

Saiba como começou a investigação que apura furto de celulares no Hospital Padre Zé; prejuízo pode passar de R$ 500 mil

Celulares foram entregues pela Receita Federal ao padre Egídio e a um jovem chamado Samuel Segundo para que fossem vendidos durante um bazar. Equipamentos sumiram.

Hospital, Hospital Padre Zé, Padre Zé, Câmeras

Hospital Padre Zé (Foto: reprodução)

Os furtos de celulares doados ao Hospital Padre Zé, que chegaram ao conhecimento público nesta quarta-feira (20), podem representar um prejuízo de mais de R$ 500 mil. A investigação sobre o caso começou após um boletim de ocorrência registrado pelo ex-presidente do hospital, o padre Egídio Neto, que renunciou ao cargo. 

Como apurado pelo ClickPB, os celulares furtados foram entregues pela Receita Federal, em maio, diretamente ao padre Egídio e a um jovem chamado Samuel Segundo para que fossem vendidos durante um bazar. O dinheiro das vendas seria usado para o Hospital Padre Zé. Porém, no mês de julho, quando as caixas onde os celulares estavam foram abertas descobriu-se que os equipamentos haviam desaparecido. 

Em entrevista coletiva, o vigário geral da Arquidiocese da Paraíba, o padre Luiz Júnior, afirmou que o crime foi descoberto pela direção do hospital e que o padre Egídio Neto foi até a Polícia Civil, em agosto, registrar um boletim de ocorrência sobre a situação.

“O próprio diretor do hospital, o padre Egídio, foi à delegacia e abriu um boletim de ocorrência. A própria direção estava tomando providências e a partir daí começamos a saber da questão dos celulares. Oficialmente, não fomos informados de outros fatos. Estamos dispostos a ajudar no que for necessário e estiver ao nosso alcance”, falou o vigário durante entrevista coletiva, como acompanhado pelo ClickPB.

O ClickPB verificou que Samuel Segundo chegou a ser preso no dia 3 deste mês, mas a prisão foi revogada no dia 6, conforme informou o advogado dele, Aécio Farias.
“A justiça decretou medidas cautelares que estão e serão cumpridas integralmente pelo acusado. A defesa aguarda o fim da investigação para melhor se pronunciar”, disse o advogado, como visto pelo ClickPB.

Ainda nesta quarta-feira, em meio ao escândalo do furto dos celulares, o padre Egídio de Carvalho Neto, renunciou ao cargo de presidente do Hospital Padre Zé.  Conforme apurou o ClickPB, o pedido foi aceito pelo arcebispo Dom Manoel Delson.

Padre Egídio estava há mais de cinco anos à frente do hospital, fundado há quase 90 anos. Além de estar na gerência da unidade, ele também atuava como pároco da Igreja Santo Antônio.

COMPARTILHE

Bombando em Paraíba

1

Paraíba

Justiça da Argentina liberta Fabrícia Farias mas a proíbe de sair do país até julgamento de extradição; confira documento

2

Paraíba

Tribunal de Justiça da Paraíba mantém condenação ao Bradesco para indenizar consumidor que teve nome negativado

3

Paraíba

URGENTE: Fabrícia Farias, dona da Braiscompany, é solta por decisão da Justiça da Argentina, diz defesa

4

Paraíba

Borboletas amarelas invadem João Pessoa e especialista comenta fenômeno: “época de reprodução”

5

Paraíba

Operação Lei Seca autua 183 condutores por embriaguez no mês de fevereiro na Paraíba