Pendências

Hospital Padre Zé está com folha de salário dos médicos atrasada e tem rombo de R$ 3 milhões em dívidas, revela diretor-presidente

Padre George batista, novo diretor-presidente do Hospital Padre Zé, falou que ainda não tem uma visão clara das dívidas totais da unidade e que uma auditoria dará um cenário mais claro em até três meses.

Hospital, Hospital Padre Zé, Padre Zé, Câmeras

Hospital Padre Zé (Foto: reprodução)

A crise do Hospital Padre Zé, que passa por uma investigação após casos de furto de equipamentos eletrônicos, avaliados em mais de R$ 500 mil, tem uma dívida de R$ 3 milhões e está com os salários dos médicos atrasados. A informação é do diretor-presidente da instituição, o padre George Batista, que concedeu entrevista coletiva nesta terça-feira (10) em João Pessoa.

Como acompanhado pelo ClickPB, o padre falou que ainda não tem uma visão clara das dívidas totais do hospital, mas os primeiros levantamentos apontaram para empréstimos feitos pelo gestor anterior, padre Egídio de Carvalho, salários e dívidas corriqueiras.

Por conta disso, uma auditoria, que vem sendo feita com ajuda de autoridades policiais, vai aprofundar a análise das contas do hospital e, em até três meses, o cenário será melhor conhecido.

“O hospital, além disso [empréstimos de R$ 13 milhões], tem uma dívida que estamos apurando. Precisamos de três meses para fazer uma avaliação, mas existe o reconhecimento de dívidas de R$ 3 milhões. Pagamos a folha de pagamento, os funcionários receberam e os salários estão em dia. Os médicos, [ainda] vamos pagar a folha de agosto”, revelou o padre George Batista, como observado pelo ClickPB.

Empréstimo

Dois empréstimos, totalizando R$ 13 milhões, foram feitos pelo padre Egídio de Carvalho em nome do Hospital Padre Zé, em João Pessoa. O valor foi revelado pelo arcebispo da Paraíba, Dom Manoel Delson, e pelo novo diretor da unidade, Padre George Batista, nesta terça-feira.

Conforme as informações repassadas pelos religiosos, os empréstimos foram feitos em duas instituições bancárias, sendo um no Santander, no valor de R$ 600 mil, e outro na Caixa Econômica Federal, no valor de R$ 12,4 milhões.

Relembre o caso

O escândalo no Hospital Padre Zé veio à tona no mês passado, após uma denúncia de furto de celulares no local. Os equipamentos haviam sido doados pela Receita Federal para o hospital e deveriam ter sido vendidos em um bazar beneficente para angariar recursos para o hospital.

Porém, os celulares foram furtados e vendidos e as investigações apontam para o envolvimento do Padre Egídio de Carvalho, que era diretor-presidente da unidade, e do ex-funcionário Samuel Segundo.

Em meio ao escândalo do furto dos celulares, o padre Egídio de Carvalho Neto, renunciou ao cargo de presidente do Hospital Padre Zé.  O pedido foi aceito pelo arcebispo Dom Manoel Delson. Padre Egídio estava há mais de cinco anos à frente do hospital, fundado há quase 90 anos. Além de estar na gerência da unidade, ele também atuava como pároco da Igreja Santo Antônio, cargo do qual também renunciou.

Furto de meio milhão

No último dia 2, a Justiça autorizou o bloqueio de contas e a quebra de sigilo bancário de Samuel Segundo. O pedido de quebra de sigilo e bloqueio foi feito pela delegada Karina Torres, da Polícia Civil, conforme apurou o ClickPB, e contou com ‘prints’ de conversas de Samuel negociando a venda de iPhones e outros itens.

A delegada aponta que “restou evidenciado, com fulcro na investigação, que Samuel Segundo incorreu no delito de furto qualificado, causando o prejuízo de R$ 525.877,77 (quinhentos e vinte e cinco mil, oitocentos e setenta e sete reais e setenta e sete centavos), referente aos produtos furtados no interior do Hospital Padre Zé.”

Operação do Gaeco

No último dia 5, o padre Egídio de Carvalho foi um dos alvos dos mandados de busca e apreensão da operação deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado do Ministério Público do Estado da Paraíba (Gaeco). Conforme apurou o ClickPB com exclusividade, além do pároco outras pessoas da administração do hospital também foram alvos. 

Entre estas pessoas está a diretora administrativa do hospital, Jannyne Dantas e a tesoureira da unidade hospitalar filantrópica, a Amanda Duarte. Segundo apurou o ClickPB, na ocasião, a operação tem como objetivo apurar os fatos que indicam possíveis condutas criminosas ocorridas no âmbito do Instituto São José, do Hospital Padre Zé e da Ação Social Arquidiocesana (ASA).

COMPARTILHE

Bombando em Paraíba

1

Paraíba

Pedrito desiste de disputar Prefeitura de Santa Rita e anuncia apoio a Nilvan

2

Paraíba

ALERTA: municípios da Paraíba podem ter ventos de até 60 km/h nesta quarta

3

Paraíba

FOTOS: Incêndio destrói cinco ônibus em garagem em João Pessoa

4

Paraíba

Procon quer notas fiscais e notifica posto que vende gasolina a R$ 6,50, na Paraíba

5

Paraíba

Francisco Fidelis: 90 anos do Quinto Constitucional e a importância da advocacia no Poder Judiciário da Paraíba