Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Paraíba

Editoria sobre Paraíba ir para editoria →

Danos morais

Justiça condena Carrefour de João Pessoa por preconceito racial contra cliente

Caso aconteceu na loja do bairro dos Bancários. Empresa deve pagar R$ 10 mil de indenização por danos morais.

Cliente ouviu quando segurança deu ordens para ''ficar de olho'' nele (Foto: Reprodução)

Por

A Quarta Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba manteve a decisão que condenou a empresa Carrefour a pagar uma indenização, por danos morais, no valor de R$ 10 mil, em favor de um cliente que foi vítima de preconceito racial. O caso é oriundo do Juízo da 4ª Vara Regional de Mangabeira da Comarca da Capital. A relatoria da Apelação Cível foi do desembargador Fred Coutinho. Da decisão cabe recurso.

Segundo consta do processo, o autor pediu indenização por danos morais, alegando que, por volta das 21h30 do dia 21/07/2015, adentrou a loja do Carrefour, localizada no Bairro dos Bancários, levando uma garrafa de água mineral e, ao se dirigir ao recepcionista para colocar um selo de segurança na garrafa, ouviu, através do rádio de comunicação interna, orientações dadas por um segurança para “ficar de olho” num rapaz que tinha entrado na loja com as suas características. 

Ao questionar o funcionário que o atendia sobre de quem se tratava, o mesmo se manteve calado. Ao dirigir-se ao dito segurança, o cliente ouviu que se tratava de um procedimento padrão. Em seguida, ao procurar o gerente do estabelecimento e relatar para o mesmo o fato ocorrido, este se limitou a pedir desculpas e dizer que aquele não era o procedimento padrão da loja.

A empresa pediu a reforma da sentença sob os seguintes argumentos: ausências de provas e de ato discriminatório racial realizado pelos seus prepostos; do exercício regular do direito; da inexistência de danos morais indenizáveis; e da necessidade de redução do montante indenizatório.

O relator rejeitou os argumentos apresentados no recurso e disse que a empresa deve assumir a responsabilidade pela discriminação sofrida pelo cliente, e como consequência, indenizá-lo pelos danos morais suportados. "Acerca da responsabilidade civil, a doutrina é assente em conceituar o dano moral como a lesão aos sentimentos, que atinge a subjetividade das pessoas, causando-lhes inquietações espirituais, sofrimentos, vexames, dores, enfim, sensações prejudiciais", pontuou.

No tocante aos danos morais, o desembargador Fred Coutinho disse que o valor fixado na sentença deve ser mantido. "A quantia indenizatória fixada na sentença no importe de R$ 10.000,00 deve ser mantida, posto ser suficiente para amenizar o infortúnio sofrido pelo autor, quantia esta que deve ser corrigida conforme consignado na decisão", frisou.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Secretário da Fazenda da Paraíba diz que roda da economia só voltará a girar com vacinação em massa e defende continuidade do auxílio emergencial

Promotora do Ministério Público convoca audiência e manda notificar secretário de Gado Bravo, acusado de 'furar' fila da vacina contra Covid-19

Amostras de oito pacientes transferidos de Manaus para João Pessoa apresentaram carga viral alta e serão sequenciadas para saber se é nova variante

Fura-filas na vacinação contra covid-19 na Paraíba pode acarretar crime de improbidade administrativa, alerta procurador-geral