Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Paraíba

Editoria sobre Paraíba ir para editoria →

Decisão

Justiça nega pedido para afastar vereadores de Santa Rita investigados na Operação Natal Luz

A juíza argumentou que não vê risco de destruição de provas ou obstrução da investigação

O pedido foi feito pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado do Ministério Público da Paraíba (Gaeco). (Foto: Reprodução)

Por

A juíza da 1ª Vara Criminal de Santa Rita, Lilian Frassinetti Cananéa, rejeitou nesta terça-feira (19), o pedido de afastamento de cargo dos 11 vereadores presos na operação Natal Luz.

LEIA MAIS: Quatro dos 11 vereadores de Santa Rita investigados faltam sessão nesta terça-feira

O pedido foi feito pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado do Ministério Público da Paraíba (Gaeco). A juíza argumentou que no dia da prisão em flagrante dos parlamentares foi realizada uma diligência no escritório de contabilidade do contador da Câmara Municipal, Fábio Cosme, também preso e agora mantido no cargo pela decisão da magistrada, e diversos documentos relativos de despesas de viagem foram “fornecidos”.

Como estão proibidos de realizarem novas viagens com recursos públicos, em face de medida cautelar imposta pela juíza Maria dos Remédios, que conduziu a audiência de custódia no dia seguinte à prisão, Lilian Frassinetti não vê risco de destruição de provas ou obstrução da investigação, uma vez que trecho da decisão de Maria dos Remédios destaca que “todo empenho relativo a pagamento de diárias seja colocado no olhar do MP”.

leia mais: Fantástico mostra viagem dos vereadores de Santa Rita a Gramado, com fotos e vídeos

Ela argumenta ainda que a suspensão de função pública ocorre quando há um “justo receio” da utilização dos cargos para a prática de infrações penais e que afastar 11 vereadores de uma Casa Legislativa composta por 19 parlamentares “acarretaria prejuízo maior ao desenvolvimento normal das atividades legislativas”.

Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Inquérito do MPF apura irregularidades em guarda de imagens sacras na Paraíba

Sindicato de trabalhadores da Energisa anuncia greve a partir desta quarta

Jovem é flagrado dormindo dentro de cesto de lixo em Catolé do Rocha

Cartaxo entrega nesta segunda Unidade de Saúde da Família em Cruz das Armas