Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Paraíba

Editoria sobre Paraíba ir para editoria →

Campina Grande

Ministério Público protocola nova denúncia na Operação Calvário contra Romero Rodrigues e mais três investigados

O ex-prefeito de Campina Grande é suspeito de integrar esquema de corrupção.

Romero Rodrigues foi denunciado (Foto: Reprodução)

Por

O ex-prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues foi denunciado pelo Ministério Público da Paraíba no âmbito da Operação Calvário, nesta quarta-feira (24). Além dele, também foram denunciados Jovino Machado da Nóbrega Neto, Saulo Ferreira Fernandes e Daniel Gomes da Silva.

De acordo com a investigação, a campanha eleitoral de Romero Rodrigues, em 2012, teria sido abastecida com propinas pela organização criminosa que seria encabeçada pelo ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho.

O modelo de gestão por meio de organizações sociais seria implantado no Instituto de Saúde Elpídio de Almeida (Isea) e no Hospital Pedro I, que passariam a ser geridos pela Cruz Vermelha do Brasil - filial do Rio Grande do Sul, representada por Daniel Gomes da Silva. Para isso, teria sido paga propina no valor de R$ 150 mil.

Parte do dinheiro teria sido entregue em mãos a Romero Rodrigues e outra parte teria sido entregue por meio do advogado Jovino Machado da Nóbrega Neto, que na época ocupava o cargo de coordenador jurídico do Estado da Paraíba.

A investigação aponta ainda que, por fatos alheios à vontade dos investigados, o contrato com a Cruz Vermelha acabou não sendo feito, e houve uma ruptura nos acertos com o município de Campina Grande. Ocorre que, embora a Câmara Municipal tenha aprovado o projeto de lei que permitiria que organização gerisse o hospital, houve uma ruptura política entre Cássio Cunha Lima, que era o líder político na gestão de Romero Rodrigues, e Ricardo Coutinho.

O Ministério Público pede a perda do cargo, emprego ou função pública dos investigados, além da perda de mandato eletivo e reparação dos R$ 150 mil aos cofres públicos por Romero Rodrigues e Jovino Machado da Nóbrega Neto. Também pode ser cobrado um valor por danos morais coletivos.

Confira a denúncia na íntegra:


Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Internado em São Paulo, José Aldemir apresenta melhora e deixa intubação

Motorista perde controle e carro de luxo invade prédio de universidade na Paraíba

Medow assina Termo de Ajustamento de Conduta para realização das lives d’O Maior São João do Mundo

Empresa aérea deve pagar indenização de R$ 5 mil por atraso de voo