Antônio e Fabrícia

MPF denuncia donos da Braiscompany e outros cinco investigados por lavagem de dinheiro na empresa

MPF registrou nova denúncia contra os donos da Braiscompany e associados a eles, no âmbito das investigações sobre a atuação da empresa no ramo dos criptoativos e pela falta de pagamentos a clientes na Paraíba e no Brasil.

donos

Foto: Reprodução/Jornal Clarin

O Ministério Público Federal (MPF) registrou nova denúncia contra os donos da Braiscompany e associados a eles, no âmbito das investigações sobre a atuação da empresa no ramo dos criptoativos e pela falta de pagamentos a clientes na Paraíba e no Brasil. Agora, os procuradores do MPF apontam que Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos são suspeitos de lavagem de dinheiro, “inclusive para se desfazer do seu patrimônio em imóveis e bens móveis de alto valor (a exemplo de uma aeronave)”, segundo relatado em trecho da denúncia, como apurou o ClickPB. Joel Ferreira de Souza é apontado como o doleiro responsável pela operação da lavagem de dinheiro.

Segundo o MPF, a investigação encontrou, principalmente na análise dos dados telemáticos, “elementos demonstrativos de que, ao longo de toda a atividade empresarial, mas especialmente na fase final de desmoronamento da empresa, os sócios ANTÔNIO NETO e FABRÍCIA FARIAS realizaram operações financeiras ilícitas de grande porte e típicas de atos de lavagem de capitais com JOEL FERREIRA DE SOUZA, inclusive para se desfazer do seu patrimônio em imóveis e bens móveis de alto valor (a exemplo de uma aeronave).”

Foram denunciados Antônio Inácio da Silva Neto (Antônio Neto Ais) e Fabrícia Farias Campos, donos da Braiscompany, além de Victor Augusto Veronez de Souza, Joel Ferreira Souza, Mizael Moreira Silva, Clélio Fernando Cabral do Ó e Gesana Rayane Silva. A denúncia é assinada pelos procuradores da República Acácia Soares Peixoto Suassuna e Bruno Barros Assunção.

No documento, é detalhada toda operação financeira apontada como sendo do esquema de lavagem de dinheiro. Em um dos trechos, os procuradores citam que Neto Ais pagou R$ 35 mil a Joel Ferreira como taxa de 3,5% pelo serviço. “A única explicação plausível para a operação é a de que a empresa aceitou o pagamento de taxa de comissão a um intermediário com a finalidade de não precisar liquidar o valor em criptoativos e sacá-lo na agência bancária, gerando a necessidade de comunicação da instituição financeira ao COAF”, diz a denúncia.

Em outro trecho, os procuradores detalham como cada um atuava: “há indícios concretos de autoria porque (a) JOEL FERREIRA comandava o escritório profissional de lavagem de capitais, participando de todas as tratativas narradas; e (b) ANTÔNIO NETO e FABRÍCIA FARIAS, como sócios da empresa Braiscompany, participaram diretamente das tratativas com JOEL FERREIRA sobre valores, taxas, formas de entrega e transferência etc….e (c) GESANA ALVES, atuando fora das atribuições da função de consultora (gerente select) da empresa Braiscompany e em descompasso com os seus atos normativos internos; auxiliou na prática dos atos de lavagem, tendo sido a responsável por coletar parcela do valor da operação em espécie (R$ 1.750.000,00), no escritório de JOEL FERREIRA.”

Após longo tempo foragido, Antônio Neto Ais foi preso na Argentina, onde segue detido até decisão do governo argentino sobre sua extradição. Fabrícia Campos foi presa, inicialmente, mas depois foi colocada em liberdade provisória. Neto Ais e Fabrícia e outros réus já foram condenados em uma das ações apresentadas na Justiça.

Saiba mais

 

 

 

COMPARTILHE

Bombando em Paraíba

1

Paraíba

Prefeitura de Queimadas publica edital de concurso com 121 vagas; confira detalhes

2

Paraíba

Ministério Público investiga suposta contratação irregular de servidores pela Prefeitura de Condado

3

Paraíba

Prefeitura de Massaranduba vai gastar mais de R$ 500 mil na compra de crachás, envelopes e impressões de papel

4

Paraíba

Homem morre atropelado na BR-230 em Santa Rita e motorista foge sem prestar socorro

5

Paraíba

UFPB aprova suspensão temporária e parcial do calendário acadêmico 2024.1