Novidade que vem por aí

A Rede Click vai trazer muitas novidades. Você vai poder enviar notícias através do VCnoClick, anunciar gratuitamente seus produtos e serviços no Click Classificados e concorrer a prêmios com o Click Vantagens.

Deixe seu contato e seja um dos primeiros a ser avisado quando a Rede Click entrar no ar!

Por favor insira um e-mail válido
Contato registrado com sucesso!

Paraíba

Editoria sobre Paraíba ir para editoria →

Poluição

MPF e MPPB podem pedir bloqueio do FPM de Patos para garantir construção de aterro sanitário

No dia 16 de outubro, o prefeito interino, Bonifácio Rocha, deve se reunir com o Ministério Público para informar como vai construir o aterro.

Lixão de Patos foi alvo de incêndio nessa sexta-feira (Foto: Totó Moreira)

Por

O lixão de Patos foi alvo de mais um incêndio na manhã dessa sexta-feira (14). Uma decisão da Justiça Federal para construção de um aterro sanitário, transitada em julgado, segue sendo descumprida pela Prefeitura de Patos, que corre o risco de ser alvo de ação para bloqueio do Fundo de Participação do Município (FPM), além de pagar multa. 

O Ministério Público Federal e o Ministério Público da Paraíba (MPPB) estudam, caso a determinação não seja cumprida, pedir na Justiça a execução da sentença, para cobrança da multa e construção do aterro. 

Em 2005, Ministério Público da Paraíba (MPPB), Ministério Público Federal (MPF) e Ibama ajuizaram ação conjunta para obrigar a prefeitura a construir e instalar o aterro sanitário, que é a solução definitiva para acabar com o lixão da cidade. Segundo o promotor do MPPB, do Meio Ambiente em Patos, Leonardo Cunha Lima, além de um problema ambiental, o lixão é um problema de saúde pública.

Já o procurador do MPF Tiago Misael de Jesus Martins informou que existe um acordo extrajudicial com cronogramas a serem cumpridos pela prefeitura, que deverá ser acionada na Justiça para execução da obrigação de fazer judicialmente, além da aplicação de astreintes retroativas à data do trânsito em julgado, o sequestro de verbas públicas para custeio das etapas em que o Município se mostre omisso, e ainda a representação a Procuradoria Regional da República pelos crimes de desobediência e poluição ambiental do gestor responsável. 

Os órgãos darão à prefeitura uma última oportunidade para cumprir a decisão. No dia 16 de outubro, o prefeito interino, Bonifácio Rocha, deve se reunir com o Ministério Público para informar como vai construir o aterro, se com recursos próprios ou por meio de parceria público privada.


Compartilhe:

Comentários (0)

Comentar

Destaque

ir para editoria →

Show de Oswaldo Montenegro e Renato Teixeira é adiado para 2020

Vereadora de JP disputa final de campeonato feminino de basquete no Rio de Janeiro

Prefeito Luciano Cartaxo sanciona lei que nomeia rua de João Pessoa como ‘Luz, Paz e Amor’

Adolescentes são internados após beberem perfume dentro de escola em Campina Grande